Pesquisar este blog

Follow by Email

LINK...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

AS CARTAS CIGANAS E SUA CORRESPONDÊNCIA COM OS SIGNOS:

 

 

 

 

BARALHO  CIGANO  E  SUA  CORRESPONDÊNCIA  COM  OS  SIGNOS:

Carta 10 – A foice: Na astrologia, esta carta se identifica com Saturno. A força da
terra presente na natureza. E Capricórnio, o signo correspondente, vem esclarecer
porque é preciso sermos tão perseverantes. Com uma boa dose de frieza e tenacidade,
não sangraremos muito tempo. A dor nos servirá de purificação para chegarmos
em paz onde desejamos. E para isso, temos que ter como característica marcante a
persistência. O diploma do signo mais batalhador do zodíaco é seu. O capricorniano
típico faz brotar planta no terreno mais árido que houver. Ele acredita na providência
divina e, por isso, esta força sublime lhe socorre nos momentos difíceis.

Carta 11 – A verga: Esta décima primeira carta tem a manifestação de Áries através
da força, do ódio as restrições, do individualismo, do autoritarismo e do espírito
combativo. Já numa atuação negativa, a força de Marte revela-se através da
agressividade. Para os arianos, o que importa é a vitória e, para isso, muitas vezes
armam-se de uma verga para fazer valer sua superioridade aos demais.

Carta 12 – Os pássaros: Está relacionado ao signo de Virgem no seu aspecto detalhista.
Os virginianos se prendem a pormenores, tem uma enorme capacidade de lidar com
pequenos detalhes. Estes mercurianos são aptos a classificar com rigor e analisar
com profundidade pois tem uma predileção por minúcia. Apreciam a ordem, o
critério, as estruturas ricas em pormenores. Por isso mesmo também são difíceis de
agradar, bicando com palavras rudes e unhadas de cinismo todos aqueles e todas
aquelas situações que não lhe oferecem contentamento. Presentear um virginiano,
se materialmente ou afetivamente, para muitos é uma tarefa árdua. Surpresas então
nem pensar. É quase impossível saber o que eles gostam e o que realmente os deixam
felizes.

Carta 13 – A criança: Temos aqui o signo de Libra caracterizando esta décima terceira
carta. Os librianos, tal qual uma criança, introduzem a beleza na vida das pessoas. Na
maioria das vezes são personificação do belo, valorizam o lado bonito das coisas. São
dependentes, precisam estar sempre acompanhados de alguém. Não apreciam sair
sozinhos ou estarem sós, pois até mesmo por questões de natureza humana, podem
ou devem ficar só. Sua presença enche o ambiente de calor humano. É a irradiação da
luz divina, pois o nascimento de uma criança é a crença de Deus na humanidade.

Carta 14 – A raposa: A astrologia nos chama a atenção aqui para o signo de Leão e sua
evidência pessoal. O pelo cor de ouro da Raposa lembra o fogo, elemento deste quinto
signo do Zodíaco. O leonino tem brilho próprio e isto é uma tremenda vantagem na
vida da matéria. Julga-se ele próprio essencial, fundamental e insubstituível. Que sem
ele nada acontece. Tem auto estima elevada, muitas vezes até demais. Essa vaidade
atrapalha. No entanto, seu coração magnânimo compensa suas falhas. Este signo
empresa à raposa a posição de destaque, de quem sabe chegar lá e como fazê-lo.

Carta 15 – O urso: Percebemos aqui o signo de Sagitário. Os representantes deste
signo, quando negativos, podem ser bruscos e inacessíveis como um urso. Muitos
sagitarianos se tornam fisicamente grandes e pesados como este animal selvagem,
assemelhando-se na grandeza à figura mitológica de Júpiter, seu regente. No
simbolismo astrológico, Sagitário é representado pelo Centauro (seres mistos com
corpo de cavalo e busto humano) por sua força e agressividade. Essas mesmas
características estão presentes na carta do urso. Esta lamina representa aqueles que
não conseguem superar seu instinto animal. São verdadeiros depósitos de energia.
O grande problema é que essa energia retida se transforma em negatividade com o
tempo, não permitindo a expansão de seu ser e sua posterior iluminação.

Carta 16 – A estrela: O sopro de Netuno associa esta carta à Astrologia, no sentido
de que é no silêncio da noite e na solidão que poderemos ouvir a nós mesmos e
seguir a nossa intuição. Afinal de contas, não é válido estarmos munidos deste
precioso dom se não lhe damos ouvidos. Quantas e quantas vezes nos é provado pela
vida que se tivéssemos ouvido o que nossa estrela nos dizia não teríamos errado.
Muitos de nós nos equivocamos ao mantermos todos os nossos canais com a força
divina completamente bloqueada. É sabido que, quanto mais leves nos acharmos, o
seja, quanto mais desprendidos da lógica e dos apelos materiais, mais perceptíveis
estaremos às orientações do nosso anjo de guarda fiel. Esta é a estrela que nos
acompanha. Aqui temos a regência dos nossos pressentimentos e o uso da sutileza
para prosseguirmos em pé, mediante o nosso destino. Esta carta casa bem com o signo
de Peixes, através do seu aspecto espiritual e místico. O pisciano acredita na força
do destino. Reconhece as ações cármicas como uma influência na sua vida terrena.
Negativamente, chega a lhe faltar praticidade, refugiando-se em fantasias.

Carta 17 – A cegonha: O aspecto astrológico da carta da cegonha vem associar-se ao
signo de Virgem. Temos aqui a representação da pureza, da virtude, do asseamento,
do critério, do instinto maternal e paternal. No subconsciente virginiano existe um
eterno medo da miséria e do contágio. Este signo se esmera para classificar, analisar,
enfim, discriminar. É conduta dos virginianos o extremo amor aos detalhes e ao
perfeccionismo, tornando-os pessoas difíceis de agradar. Neste aspecto, lembram
bastante a figura da mãe extremamente zelosa que acredita que só ela sabe fazer o
melhor para os seus. Que ninguém é capaz de fazer com tanta perfeição quanto ela.

Carta 18 – O cão: Comparamos este animal ao signo de Peixes. Temos aqui a
emotividade, a entrega total, a simpatia e a cumplicidade. O lado negativo fica por
conta do aspecto falador e pessimista deste signo, quando o cão late em demais e
nos cansa com seus latidos. Mostra-se aqui a verdadeira vocação do cão através da
manifestação pisciana. A capacidade de doação e a total receptividade dos piscianos se
assemelham ao cachorro ao seu dono.

Carta 19 – A torre: Dentro da esfera astrológica, reconhecemos aqui o signo de
Aquário. Sua força inventiva e progressista nos leva nosso lado inconsciente, que é
banhado pela luz divina. A cor azul do céu é característica do planeta Urano regente
de Aquário. A era de Aquário favorece as pesquisas de novos campos místicos, novos
caminhos para o bem da humanidade. É o desenvolvimento das terapias alternativas,
da investigação e esclarecimento do sobrenatural e do que perante o homem possa
ser desconhecido. O lado humanitário é uma característica bastante acentuada
deste décimo primeiro signo do zodíaco. Num lado negativo, a influência aquariana
entra em ebulição e poderemos incorrer em atitudes rebeldes que nos levarão ao
interior da torre e a conseqüente distância da realidade e das demais pessoas. Assim
como mergulharmos numa profunda individualidade que nos leva ao orgulho e ao
sentimento de superioridade.

Carta 20 – O jardim: justifica-se nesta carta o equilíbrio do signo de Libra e de
seu natural refinamento. No jardim encontramos a harmonia e uma paz imensa
num ambiente bonito e muito bem cuidado. Cada planta, cada arbusto e cada flor
transparecem a beleza da natureza. Lembra-nos das coisas bonitas da vida. O senso
estético está bastante reforçado.

Carta 21 – A montanha: Reforça a idéia da coragem e do lado executivo do signo de
Áries. Negativamente, tal qual um vulcão, os arianos podem cuspir fogo e tornar-se
verdadeiramente violentos quando contrariados. Até mesmo numa montanha coberta
de neve, os vulcões entram em erupção, como a que reclamar uma saída, uma válvula
de escape para seu temperamento fogoso. Mesmo aparentemente acomodados em
seus lugares, as pessoas nascidas sob este primeiro signo do zodíaco mantém acessa a
chama de um fogo interno que poderá aumentar em significativas labaredas e eclodir
a qualquer momento. Muitos arianos acreditam que, somente não se submetendo a
terceiros, estão sendo eles mesmos.

Carta 22 – O caminho: Temos aqui o signo de Touro na valorização dos tesouros
terrenos. Os taurinos geralmente só se sentem bem e felizes quando alicerçados
materialmente. Apegam-se a matéria de um modo tal, que caso não experimentem
a posse de bons recursos tornam-se melancólicos e nervosos. São bastante práticos
também. Esta última característica lhes torna altamente adequados para lidarem com
os bens materiais. Apreciam conforto, beleza e tudo que o dinheiro pode comprar.

Carta 23 – O rato: A astrologia confere a esta carta o caráter sagitariano através da sua
compreensão, caridade, tolerância e generosidade para com terceiros. O rato abusa
dos que possuem estas qualidades. Os sagitarianos são beneficiados por Júpiter, seu
planeta regente, em abundância material ou espiritual e acabam servindo de suporte
para terceiros. A confusão que o rato causa quando está dentro de um ambiente,
mesmo que a sua presença não seja percebida, também é uma característica deste
nono signo do zodíaco. Os sagitarianos involuídos têm uma inclinação natural para a
maledicência e para as discussões. Jogam as pessoas, umas contra as outras, quando
resolvem tornar maldosos os seus comentários.

Carta 24 – O coração: Esta carta associa-se ao signo de Peixes e a respectiva
emotividade. O coração esbanja sentimentos, sofre e em contrapartida também é feliz
intensamente. Os piscianos romantizam as coisas e tem uma natureza afetiva. Sentem
tudo com o coração e são verdadeiros. São também nervosos e caridosos. Realizam-
se através do amor. Quando se dedicam ao lar, família, filhos e ao grande amor de
suas vidas, conhecem a plenitude. Também gostam de prestar serviços em hospitais,
prisões, orfanatos e nutrem grande amor pelos menos favorecidos, quando evoluímos
espiritualmente.

Carta 25 – O anel: Através da visão astrológica o anel está relacionado ao
signo de Leão. Traduz aquele momento de intenso ardor íntimo em que nos
entusiasmamos com a vida e com tudo de bom que ela pode nos dar. Estamos
plenos e experimentamos um entusiasmo interior, que nos leva a traçarmos grandes
planos. Pensamos em nos tornar Reis e Rainhas de uma dinastia. Sonhamos com a
constituição de um império para deixarmos para a posteridade. Acreditamos que um
dia passaremos a coroa para um de nossos herdeiros.

Carta 26 – Os livros: Bem sucedido em sua escalada para o status e o prestígio social
como um Capricorniano,..., usa sua concentração. Fica imaginando como irá guiar seus
discípulos com segurança. Como realizará um procedimento. Planeja, organiza e parte
para a ação.

Carta 27 – A carta: A astrologia caracteriza esta carta através do signo de Gêmeos,
aquele que distribui a informação com sua inteligência, vivacidade e rapidez. A boa
expressão é uma qualidade deste signo. Mercúrio, seu regente, tem asas nos pés, por
isso ele é considerado o mensageiro do Zodíaco.

Carta 28 – O Homem: O perfil astrológico desta carta traz os traços de Escorpião,
quando mostra a intensidade de sentimentos que pode gerar a violência, o ódio e a
possessividade.

Carta 29 – A mulher: Destaca-se aqui o signo de Libra através da persuasão, do
refinamento e da coqueteria altamente características da mulher. Temos aqui o
charme e a vaidade feminina bem representada. Além de Vênus ser o planeta regente
deste signo. Ele representa a beleza, distinta, real, inconfundível.

Carta 30 – Flor de lis (Lírios): Aponta o aspecto negativo do signo de Gêmeos já que,
em seu contexto, ela mostra que o nervosismo tão característico deste signo altera
profundamente o curso natural das coisas cotidianas. A falta de concentração e de
persistência impede os geminianos de procurarem os Lírios dentro deles mesmos.
Já no aspecto positivo, temos a extrema sensibilidade desses nativos igualmente
encontrada na Flor de Lis. Porque a energia geminiana é uma energia nervosa,
inquieta, e ao mesmo tempo vital.

Carta 31 – O sol: O Signo de Capricórnio é representado por esta carta através de
sua tenacidade, persistência e extrema noção do tempo. É o próprio trabalhador
que coloca, tijolo por tijolo, até chegar ao topo. Além disso, temos também aqui
a figura do pai, aquele que ampara e aponta a direção correta. É o amor paternal,
indispensável ao guerreiro que lutará pela vida. O lado negativo deste décimo signo
do Zodíaco aparece nesta carta quando nos deixamos levar pela cabeça e não pelo
coração. O Capricórnio elevado corresponde ao Unicórnio, este animal fabuloso da era
medieval, que era símbolo antigo de pureza e fortaleza. Os capricornianos altamente
espiritualizados realizam todas as coisas da vida, visando o alcance da esfera superior.
Reagem como se tivessem um juiz supremo a lhe julgarem em tempo integral acima
de suas cabeças, a fim de que não errem em suas ações. Isto lhes dá um caráter muito
escrupuloso. O próprio Jesus Cristo encarnou em Capricórnio. Seu exemplo de amor ao
Pai o dignificou como o filho de Deus.

Carta 32 – A lua: A astrologia, como não poderia deixar de ser, se faz representar
pelo signo de Câncer que é regido pela Lua. Os cancerianos são sensíveis e maternais.
Estão sempre amparando e se preocupando com os demais, muitas vezes até
excessivamente. De um modo negativo, chantageiam, se sentem melindrados por
qualquer coisa e manipulam os outros de acordo com os seus interesses pessoais.
Donos de uma tremenda intuição pressentem o perigo à distância. É como se
conhecessem todos os movimentos da Terra tal qual a Lua. Quando um canceriano se
magoa, põe a mágoa debaixo do braço e a leva para tudo quanto é lugar. E mágoa é
antes de mais nada um atraso de vida.

Carta 33 – A chave: Caracterizado pelo signo de Touro por sua característica de apego
e conservadorismo, a chave é símbolo de posse. Quando a temos em nossas mãos,
consequentemente possuímos algo. Somos donos da nossa casa e temos liberdade
para entrar e sair a qualquer hora. Somos amantes da vida em família. Sentimo-nos
realmente donos de nossos parentes mais próximos. Monitoramos nossa família,
nossos amigos e as pessoas por quem temos carinho. Funcionamos como um provedor
e como alguém que proporciona a abertura para os seus. Os taurinos apreciam
muitíssimo o domínio e a posse. Embora não aparentem, são no fundo conservadores,
gostando muito de ter e reter as coisas e pessoas em seu poder.

Carta 34 – Os peixes: Através do signo de Touro, a necessidade de estabilidade chega
a ser gritante. Os taurinos não conseguem conviver com a falta de dinheiro. Sua
autoconfiança é profundamente abalada diante da escassez dos recursos materiais.
De um modo negativo podem ser materialistas, possessivos e muitas vezes teimosos.
Como não conseguem abrir mãos das coisas que lhes pertencem, reagem de forma
irada e com um sonoro “não” mediante uma proposta vinda de alguém, para dividir
com eles a propriedade de algo ou alguém que eles julgam seu.

Carta 35 – A âncora: Esta carta se caracteriza pelo signo de Aquário, o aguadeiro, com
sua capacidade de invenção. Utilizando seus recursos intelectuais, com sua mente
lógica, os aquarianos são a imagem do ser progressista. Quando atuam de forma
negativa, se tornam imprevisíveis e capazes de reações completamente súbitas.
Seu forte individualismo torna a convivência com eles um tanto quanto difícil. Em
contrapartida, se preocupa com a humanidade e são muito generosos, auxiliando o
próximo na estrada da vida. Gostam de segurança, embora aparentem o contrário. Seu
jeito extrovertido e impulsivo esconde uma atitude materialista e conservadora em
relação à vida. Eles apreciam as coisas estáveis também.

Carta 36 – A cruz: Corresponde ao signo de Leão. O nobre leonino enfrenta as
dificuldades com dignidade. Mantém-se majestoso diante da luta pela vida. Cria
oportunidades novas a cada instante da sua existência. Seu grande coração o leva
para as alturas, lugar que ele adora estar. Seu otimismo é como um bálsamo que
nos perfuma a alma. Prossegue confiante em si, rejeitando todo tipo de fraqueza e
mediocridade. Ele quer viver a vida com tudo o que ela pode oferecer e conseguirá
atingir este seu intento. Sua presença é como o sol, que nos aquece no frio. De um
magnetismo constante, o leonino abala as mais duras estruturas. Em Leão, cada
homem é o centro do Universo. E o grandioso Deus está presente em cada um desses
pedaços de mundo, que habitam nesta Terra.