Pesquisar este blog

Follow by Email

LINK...

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

SALVE ALLAN KARDEC:

Salve Allan Kardec !!!!

ALLAN KARDEC
3 de outubro de 1804 31 de  março de 1869
 
No dia 3 de  outubro de 1804, às dezenove horas, na casa do magistrado Jean-Baptiste-Antoine  Rivail localizada na cidade de Lyon à Rua Sala, 76, na França, sua esposa Jeanne  Louise Duhamel dava à luz uma criança do sexo masculino. Era  Denizard-Hippolyte-Léon Rivail.
O NOME CIVIL
De pais  católicos, o menino foi batizado na igreja de Saint Denis De La Croix Rousse,  aos 15 de junho de 1805. Devemos fazer uma observação quanto ao seu nome:  encontramos seu nome civil, segundo alguns autores categorizados, assim:
Revista Espírita, maio de 1869, Biografia do Sr. Allan Kardec, Léon -  Hippolithe - Denizart Rivail.
Camille Flammarion no seu "Discours  prononcé sur la tombe d'Allan Kardec", Léon - Hippolyte - Denizart  Rivail.
Léon Denis no "Prefácio" da 4a edição da obra de Henri Sausse,  "Remarquons que mon nom est enchâssé dans celui d'Allan Kardec qui s'appelait en  réalité", Hippolyte, Léon, Denizard Rivail.
J. - M. Quérard, "La France  Littéraire ou Dictionnaire Bibliographique", pág. 58, Rivail (H. L. D.), pág.  456, Rivail Hippolyte - Léon Denizart.
G. Vaperreau, "Dictionnaire  Universal des Contemporains", Hippolyte - Léon - Denizard Rivail.
André Moreil no livro "Vida e Obra de Allan Kardec", Denizard Hippolyte  Léon Rivail ou abreviado D. H. L. Rivail.
E, ainda, outros autores  escreveram o nome Rivail segundo entendimento próprio de cada um.
Muitos  se perguntarão, qual é o correto?
Evidentemente, o que consta na  certidão de nascimento, ou seja, Denizard Hippolyte León Rivail, embora  Hippolyte Léon Denizard Rivail, possa também ser usado, já que era assim que ele  assinava suas obras literárias.
 
FORMAÇÃO ESCOLAR E O INSTITUTO DE  YVERDUN
Desde pequeno o menino Rivail revelou-se bastante inteligente e  sagaz observador, sempre compenetrado de seus deveres e responsabilidades,  denotando franca inclinação para as ciências e para os assuntos filosóficos.  Seus primeiros estudos foram realizados em Lyon, sua cidade natal. Mais tarde,  com a idade de 10 para 11 anos, Rivail foi enviado para Yverdun, na Suíça, para  completar e enriquecer sua bagagem escolar.

O Instituto de Yverdun, que  funcionava no castelo construído em 1135 pelo duque de Zähringen, era  freqüentado todos os anos por grande números de estrangeiros, pois era tido como  a escola modelo da Europa; era dirigido pelo professor-filantropo de  nacionalidade suíça Johann Heinrich Pestalozzi, cujo apostolado pedagógico era  bastante conhecido, o que lhe conferiu o cognome de “O Educador da  Humanidade”.
Línguas, raças, crenças, culturas e hábitos diferentes ali  se misturavam, aprendendo as crianças e os jovens, na vivência escolar, a lição  da fraternidade, da igualdade e da liberdade.

Pestalozzi pregava que o  amor é o eterno fundamento da educação. Em seu Instituto não havia castigos ou  recompensas. O ensino era heurístico: aquele em que o aluno é conduzido a  descobrir por si mesmo, tanto quanto possível por seu esforço pessoal, as coisas  que estão ao alcance de sua inteligência.
A história, a literatura,  todos os ramos dos conhecimentos humanos eram ensinados em Yverdun, dentre os  quais descrevemos alguns: NOÇÕES GERAIS, PORÉM EXATAS, DE MINERALOGIA, BOTÂNICA,  ZOOLOGIA E ANATOMIA COMPARADA; UM CURSO ABREVIADO DE HISTÓRIA NATURAL; ELEMENTOS  DE FISIOLOGIA E PSICOLOGIA; LIÇÕES DE FÍSICA EXPERIMENTAL E DE QUÍMICA; ESTUDO  DE LINGUAS MORTAS OU ANTIGAS (principalmente o grego e o latim); LÍNGUAS ATUAIS  DA ÉPOCA (italiana, inglesa, francesa, alemã e outras); ESTUDO GERAL DE  MATEMÁTICA (dividido em quatro seções: CÁLCULO TEÓRICO E PRÁTICO, e ARITIMÉTICA  SUPERIOR; ÁLGEBRA, OU ARITIMÉTICA LITERAL E UNIVERSAL; GEOMETRIA; MECÂNICA, COM  NOÇÕES DE ASTRONOMIA E GEOGRAFIA MATEMÁTICA.
Vale a pena saber que o  Instituto de Yverdun possuía em média 150 alunos que se obrigavam a uma carga  horária diária de 10 horas. Aos domingos, numa assembléia geral, passava-se em  revista o trabalho da semana. Pestalozzi dava também bastante importância ao  canto: cantava-se nos intervalos das lições, nos recreios e nos passeios. A  música e o canto adquiriram ali grande impulso entre 1816 e 1817 com o notável  compositor suíço Xaver Schnyder von Wartensee.
Pestalozzi foi um tipo de  cristão sempre zeloso, mas eqüidistante do misticismo, dos preconceitos e das  paixões religiosas, apesar de pertencer à Igreja reformada.
Acredita-se  que Pestalozzi tivesse alguma noção da vida após a morte, pois numa carta que  escreveu à sua amiga condessa Franziska Romana von Hallwyl, que procurara  consolá-lo da dolorosa perda de um professor, o pedagogo lhe disse, confiante:  "Vossa fidelidade e vossa amizade a seguirão no outro mundo, nós a  reencontraremos e juntos nos rejubilaremos com alegria."
 
O ALUNO  RIVAIL
Assim, depois de algumas informações sobre o ambiente em que  Rivail estudou e se educou, voltamos a falar sobre a sua pessoa ainda como jovem  escolar lionês.

Dotado da avidez de saber e de agudo espírito  observador, adquiriu ele desde cedo o hábito da investigação . Contam alguns  biógrafos que, quando estudava Botânica, Denizard se interessava tanto que  passava um dia inteiro nas montanhas próximas a Yverdun, com sacolas às costas,  à procura de espécimes para o seu herbário.
Aos quinze anos, Rivail já  conhecia as divergências religiosas observadas no próprio corpo docente, com  alunos católicos romanos e ortodoxos, bem como protestantes de diferentes  seitas, a se desentenderem sobre a interpretação dos textos escriturísticos,  sobre a validade dos dogmas e de outras questões, embora, no fundo, todos  formassem uma família unida pelos laços de amizade que sadio companheirismo  gerara. Tudo isso levou Denizard a conceber, já naquela idade, a idéia de uma  reforma religiosa, com o propósito de conseguir a unificação das  crenças.
 
DE YVERDUN A PARIS
Embora não se possa afirmar,  presume-se que Rivail tenha permanecido no Instituto de Yverdun até 1822, talvez  desempenhando a função de submestre, senão, mestre, mesmo, seguindo depois para  Paris - à Rua Harpa, 117, um dos principais eixos da vida universitária  parisiense, onde ficava situado o Liceu Saint-Louis (antigo "Collège  d'Harcourt"), estabelecimento escolar respeitado da Universidade. Lá, Denizard  encontraria excelentes oportunidades para continuar suas atividades  educacionais.
 
RIVAIL E AMÉLIE BOUDET
Vivendo em Paris, no  mundo das letras e do ensino, Rivail conheceu a Srta. Amélie Boudet. De estatura  baixa, bem proporcionada, de olhos pardos e serenos, gentil e graciosa, vivaz  nos gestos e na palavra, denunciando penetração de espírito, Amélie nasceu em  Thiais, comuna do departamento parisiense de Val-de-Marne, a 23 de novembro de  1795. Filha única de Julien-Louis Boudet, proprietário e tabelião, homem  portanto bem colocado na vida, e de Julie-Louise Seigneat de Lacombe, recebeu na  pia batismal o nome de Amélie-Gabrielle Boudet.

Após cursar a escola  primária, a jovem estabeleceu-se em Paris com a família, ingressando numa Escola  Normal, de onde saiu diplomada professora de 1ª classe. Alguns documentos  revelam que a Senhorita Amélie também fora professora de Letras e Belas-Artes.  Culta e inteligente, chegou a dar à luz três obras, assim nomeadas: "Contos  Primaveris", 1825; "Noções de Desenho", 1826; "O Essencial em Belas-Artes",  1828.

Em 6 de fevereiro de 1832, Denizard e Amélie firmam o contrato de  casamento. Agora viveriam juntos sobre o mesmo teto até que a morte os  separasse.
 
O POLIGLOTA
Rivail possuía uma instrução extensa  e variada, conhecia também outros idiomas: o Alemão - sua língua adotiva; o  Inglês, Holandês, como também eram robustos seus conhecimentos do Latim, do  Grego, do Gaulês e de algumas línguas latinas nas quais se exprimia  corretamente.
 
RIVAIL TERIA SIDO MÉDICO?
Apesar de alguns  biógrafos dizerem que Rivail teria sido médico, podemos dizer que houve um mau  entendido; analisemos o que escreveu André Moreil, biógrafo de Allan Kardec no  livro "Vida e Obra de Allan Kardec", 1977, Editora EDICEL, página  23:
"... fez (Rivail) estudos médicos como os primeiros Pestalozzi  originários de Lyon e colheu em seus estudos sobre a eletricidade provas da  existência Espírita."

Porém, em outro capítulo Moreil fala de outra  maneira. Vejamos o que se lê na página 32:
"Consta que teria estudado  medicina e até mesmo sustentado tese, aliás com muito brilho. Para nós subsiste  a dúvida. É certo que o jovem Rivail tinha boa cultura humanista, e grande  desejo de aprender. Interessava-se pelas "humanidades", como pelas "ciências":  entre estas, a Física, a Química e a Geologia; a Biologia também, com certeza.  Mas isso não autoriza dizer que estudou Medicina nem defendeu tese. É possível  que, de volta de Yverdun, o jovem lionês tivesse freqüentado a Faculdade de  Medicina da sua cidade natal ([1]). Parece, todavia, que o estudo dessa  disciplina não lhe suscitou entusiasmo, pois nunca se referiu a ela em seus  escritos. Apenas uma vez, ao tratar do magnetismo animal, declarou que o estudo  da Medicina o interessara, trinta anos antes, o que corresponde ao seu período  estudantil."
Assim, faz-se necessário desfazer essa confusão, já que  Rivail se referiu ao Magnetismo e não à Medicina convencional. Em artigo da  "Revista Espírita" de junho de 1858 intitulado "Os Banquetes Magnéticos" lê-se  esta frase escrita por Kardec: "Em nossa opinião a ciência magnética, que  professamos há 35 anos...".
Podemos observar com isso que Kardec não  escreveu estudo de medicina e, sim, ciência magnética, que professara havia 35  anos (e não 30, como quer Moreil). Poderíamos ainda descrever trechos de outros  biógrafos; chegaríamos, porém, à mesma conclusão: que Kardec jamais foi  médico.
RIVAIL E A MAÇONARIA
É necessário, também, desfazer  outro equívoco: que Rivail tivesse sido maçom. Fazendo uma pesquisa na coleção  da Revista Espírita, 1858-1869, conclui-se que apenas existiram, entre Denizard  e a Maçonaria, afinidades de princípios e ideais, sem jamais haver ele  ingressado em loja alguma. Acreditamos que nada modificaria, tanto para mais  como para menos, a pessoa do biografado se tivesse ele abraçado a Maçonaria. É  necessário, porém, eliminar os exageros para que a verdade  triunfe.
O PROFESSOR RIVAIL E SUAS OBRAS
Em Paris Rivail  fundou um Instituto Técnico na rua Sevres, 35, nos mesmos moldes daquele de  Pestalozzi. No ano de 1824, Denizard, ou melhor, Professor Rivail, publica seu  primeiro livro que era dividido em volumes e tinha como título: Curso Prático e  Teórico de Aritmética. Além deste, o Prof. Rivail publicou, até o ano de 1849,  os seguintes livros: Plano para o Melhoramento da Instrução Pública;  Gramática  Clássica da Língua Francesa; Qual o Sistema de Estudos mais Adequado à Época?;  Manual dos Exames para Certificado de Capacidade; Soluções Racionais de  Perguntas e Problemas de Aritmética e Geometria; Catecismo Gramatical da Língua  Francesa; Programa dos Cursos Ordinários de Química, Física, Astronomia e  Fisiologia; Pontos para os Exames na Municipalidade e na Sorbone; Instruções  Sobre as Dificuldades Ortográficas.
DENIZARD E O  MAGNETISMO
Rivail tomou contato com o magnetismo no ano de 1823, ou  talvez mesmo um pouco antes; porém, foi em Paris que sua curiosidade foi  despertada para esta ciência, quando o marquês de Puységur - juntamente com  d'Eslon, professor e regente da Faculdade de Medicina de Paris, mais o sábio e  naturalista Deleuze -, deu novos rumos a esta ciência através da modificação dos  métodos de Mesmer, que culminaram na descoberta do sonambulismo provocado.  Denizard refere-se elogiosamente a esses magnetistas franceses, ombreando-lhes  outros nomes, como o do barão Du Potet e o do Sr. Millet.
Rivail estudou  criteriosamente essa disciplina, tendo devorado grande número de obras  favoráveis e contrárias escritas por homens de evidência. Diz Anna Blackwell, no  prefácio à sua tradução inglesa de "O Livro dos Espíritos", que Rivail tomou  parte ativa nos trabalhos da Sociedade de Magnetismo de Paris, uma das mais  importantes da França. Fez muitos amigos nessa corrente de idéias, dentre eles o  magnetizador Sr. Fortier.
 
AS MESAS GIRANTES
Contava Rivail  51 anos de idade em 1854 quando, através do Sr. Fortier, tomou conhecimento de  certos fatos Espíritas. Disse-lhe o interlocutor:
- "Sabe o senhor da  singular propriedade que acabam de descobrir no magnetismo? Parece que não são  unicamente os indivíduos que se magnetizam, mas também as mesas, que podem girar  e andar à vontade.”
- "É extraordinário, não há dúvida" - respondeu  Rivail. "Mas em rigor é um fato que não parece radicalmente impossível. O fluido  magnético, que é uma espécie de eletricidade, pode muito bem atuar sobre os  corpos inertes e fazê-los moverem-se."
Informado, pouco tempo depois,  pelo mesmo Sr. Fortier, de que mesas magnetizadas - chamadas na época de "mesas  girantes" -,  podiam mover-se e que davam respostas quando inquiridas, a atitude  de Rivail foi de absoluta descrença:
- "Isto é uma outra questão. Só  acreditarei vendo, e quando me provarem que a mesa tem cérebro para pensar,  nervos para sentir e que pode tornar-se sonâmbula. Até lá, permita-me que  considere isso um conto para fazer-nos dormir em pé."
Rivail aceitava a  possibilidade do movimento por uma força mecânica, mas, ignorando a causa e a  lei do fenômeno, parecia-lhe absurdo atribuir inteligência a uma coisa puramente  material. Estava ele na posição dos incrédulos desta nossa época (2004), que  negam porque apenas presenciam um fato que não compreendem. Vivia-se numa época  em que o fato era ainda inexplicado, aparentemente contrário às leis da  Natureza, o que sua razão lhe impedia aceitar. Ainda não havia visto nem  observado nada. As experiências feitas na presença de pessoas de caráter e  dignas de toda a confiança lhe confirmavam a possibilidade do efeito puramente  material, porém, a idéia de uma mesa falante não lhe podia ainda fazer  sentido.
 
O EPISÓDIO HYDESVILLE: PONTO DE PARTIDA DAS MESAS  GIRANTES
As sessões com a "mesa girante" tiveram início nos Estados  Unidos da América, com as célebres irmãs Fox. Segundo Jorge Rizzini, os Fox eram  originários do Canadá, pois os Arquivos Históricos da Cidade de Nova Iorque  (consultados por ele) atestam que a médium Margareth Fox nascera em Bath, uma  vila próxima da cidade de Kingston, na província de Ontário, no dia 7 de outubro  de 1833.

Vale a pena saber que Margareth, nessa época, tinha a idade de  14 anos; Katerine, a caçula, 11 anos; e Leah, que já lecionava piano em  Rochester, era 23 anos mais velha que Margareth. Não possuímos informações dos  outros irmãos, apenas sabemos que eram em seis, também canadenses, e que David  era o único do sexo masculino.

John D. Fox, o pai, era campesino e  pastor da Igreja Episcopal Metodista. Ele e sua família recém chegados do Canadá  desembarcaram em Hydesville, no Condado de Wayne, Estado de Nova Iorque, no dia  11 de dezembro de 1847. John acomodou sua família em uma casa de madeira  humilde, praticamente idêntica a todas as outras da região. A casa em que se  instalaram não era bem vista pela população da cidade. Diziam que era "mal  assombrada". Inquilinos anteriores haviam ouvido ruídos estranhos e visto móveis  se moverem sem nenhum contato humano; além disso, vultos também eram  vistos.
Hannah Weeckman, ex-inquilina da casa, citada no livro "História  do Espiritismo" de Arthur Conan Doyle, deu o seguinte testemunho: "Meu marido,  eu e a empregada nos levantamos imediatamente para ver o que se passava. Ela  sentou-se na cama em prantos e nós custamos a verificar o que se passava. Disse  ela que algo se movimentava acima de sua cabeça e que sentia um frio sem saber o  que era. Disse havê-lo sentido sobre ela toda, mas que ficara mais alarmada ao  senti-lo sobre o rosto."
Lucretia Pulver, empregada do casal Bell que,  em 1844, habitara a casa, deu também seu testemunho: "A Srta. Aurélia Losey  ficou comigo naquela noite; ela também ouviu o barulho e ambas ficamos muito  assustadas; levantamo-nos, fechamos as janelas e trancamos a porta. Parece que  alguém andava pela despensa, na adega, e até no porão, onde o barulho cessava."  Era esta a situação da casa, quando o pastor John D. Fox nela se instalou com  sua família.
John atribuía os ruídos à madeira com a qual a casa fora  construída e aos ratos existentes na adega. Porém, na noite do dia 31 de março,  foram ouvidos ruídos com maior intensidade por todos os lados da casa e, segundo  a Sra. Fox, "produziam um certo movimento nas camas e cadeiras, a ponto de  notarmos quando deitadas". O pastor John Fox, acreditando que alguém estivesse  brincando consigo, saiu pé ante pé e examinou a casa pelo lado de fora e,  depois, intrigado, todos os compartimentos da casa. Nada encontrou; estava tudo  normal, porém, os ruídos, inclusive de passos, prosseguiam, e todos puderam  ouvir.
Naquela noite, Katerine, a filha mais nova, desafiou a força  invisível. Bateu um certo número de palmas. E soou na parede de madeira,  imitando-a, o mesmo número de pancadas. Quando ela parou, o som logo parou.  Então Margareth disse brincando: "Agora faça exatamente como eu. Conte um, dois,  três, quatro". E bateu palmas. Então os ruídos se produziram como antes.  Margareth teve medo de repetir o ensaio. Então Katerine, ou Kate, como seus  familiares a chamavam, disse, na sua simplicidade infantil: "Oh! Mamãe! Eu já  sei o que é. Amanhã é o dia 1º de abril e alguém quer nos pregar uma  peça!”
Estava, assim, estabelecida a telegrafia espiritual. A Sra. Fox,  ao lado do marido, pediu ao "espírito batedor" que dissesse a idade de cada um  de seus filhos. O resultado do teste espantou a todos. Batidas se fizeram ouvir  de forma que, a cada seqüência de batidas que correspondia a idade de cada um,  era feita uma pausa. Insistiu a Sra. Fox, perguntando se era um ser humano que  conversava com ela. O silêncio se fez angustiante. Perguntou se era um Espírito,  e fortes batidas se fizeram ouvir por toda a casa.
A Sra. Fox, continuou  a perguntar: "Se for o Espírito de um assassinado dê duas pancadas." Duas  pancadas foram ouvidas. John Fox foi rápido chamar a Sra. Redfield, sua vizinha,  que fez um novo teste; perguntou que idade tinha ela, e obteve do Espírito a  resposta correta. Entrou na casa o casal Duesler, e estabeleceu-se uma linguagem  através de código, onde a letra A correspondia a uma pancada, B a duas, e assim  por diante.
O Espírito chamava-se Charles B. Rosma; fora mascate; seu  assassino chamava-se Bell, antigo morador daquela casa; assassinara-o para lhe  roubar quinhentos dólares com uma faca de açougueiro, dando-lhe um golpe na  garganta; o corpo fora levado à adega e, na noite seguinte, enterrado ali  mesmo.
Foi se formando à porta da casa dos Fox uma fila de  aproximadamente trezentas pessoas e o Espírito Charles Rosma deu prova de sua  presença. No dia seguinte, David Fox, acompanhado de outras pessoas, fez as  primeiras escavações, descobrindo ossos e cabelos. Exatamente em 1904, portanto  56 anos depois, encontrou-se um esqueleto humano ao lado de uma lata que  pertencera ao mascate. Os fatos vieram confirmar a estranha denúncia de um morto  que, do outro lado da vida, se utilizava de uma lei natural, desconhecida pelo  homem, para relatar uma ação criminosa de que fora vítima.
Disseram os  Espíritos que esse fato era o início de um movimento de caráter praticamente  universal, para unir os homens, convencer as mentes para a imortalidade da alma,  despertar a Humanidade para a vida espiritual.
Convém reconhecer aqui a  envergadura moral do casal Fox. Contrariados e perseguidos pela Igreja Metodista  a que pertenciam, preferiram de lá ser expulsos, a negar os fenômenos espíritas.  Eles não abdicaram da verdade de que foram testemunhas. Este acontecimento  repercutiria na Europa, despertando as consciências e, ao lado dos fenômenos das  "mesas girantes", prepararia o advento do Espiritismo.
Agora, tendo  estas informações, prossigamos.
RIVAIL E AS MESAS  GIRANTES
Foi em 1855, conversando com Sr. Carlotti, outro magnetista,  que lhe falou outra vez, e com grande entusiasmo, desses fenômenos, que Rivail  sentiu idéias novas lhe despertarem na mente.  No entanto, o Sr. Carlotti era  corso, de natureza ardente e enérgica. Denizard apreciava nele as qualidades que  distinguem uma grande e bela alma, contudo, desconfiava de sua exaltação. Fora  ele o primeiro a falar-lhe da intervenção dos Espíritos, e contou-lhe tantas  coisas fantásticas que ao invés de convencer Rivail, aumentou-lhe as  dúvidas.

Um pouco mais de um ano se passara, era num dia de maio de  1856, estava Rivail na casa da sonâmbula Sra. Roger com o Sr. Fortier, seu  magnetizador. Encontrou ali o Sr. Pâtier e a Sra. Plainemaison, que lhe falaram  sobre os fenômenos, desta vez sem exaltação. O Sr. Partier era um funcionário  público, homem de meia idade, instruído, sério e calmo. Sua linguagem era  pausada e isenta de entusiasmos. Pois bem: foi o Sr. Partier que causou uma viva  impressão em Rivail que, convidado a assistir a uma das experiências realizadas  na casa da Sra. Plainemaison, à Rua Grange-Batelière, 18, aceitou pressuroso. O  encontro foi marcado para uma terça feira, às 20 horas.
Rivail assiste  pela primeira vez, na casa da Sra. Planemaison, e testemunha o fenômeno das  "mesas girantes" que saltavam e corriam, em condições tais que era impossível  haver dúvidas. Presenciou alguns ensaios, ainda bastante imperfeitos, da escrita  mediúnica em uma ardósia com o auxílio de uma cesta. Com as idéias ainda  indefinidas, Rivail raciocinava. Ali estava um fato que devia ter uma causa.  Entreviu debaixo daquela aparente futilidade e da espécie de diversão dos que se  utilizavam daqueles fenômenos algo sério, como se fosse a revelação de uma nova  lei. Prometeu a si mesmo que iria investigar os fenômenos a  fundo.
AS MÉDIUNS SRTAS. BAUDIN
Dentro de pouco tempo,  surgiu uma oportunidade de Rivail proceder a observações diretas: numa das  reuniões da Sra. Planemaison conheceu a família Baudin, que morava na Rua  Rochechouart. O Sr. Baudin convidou-o para ir assistir às sessões que se  realizavam semanalmente em sua casa. Aceitou, e tornou-se um freqüentador  assíduo das reuniões.
Eram as reuniões bem freqüentadas e, além dos  assistentes habituais, era admitido sem dificuldade quem quer que o pedisse. Os  dois médiuns utilizados eram as Srtas. Baudin, que escreviam em uma ardósia com  o auxílio de uma cesta chamada de "cesta pião" ou "cesta de bico" ([2]). Esse  método exigia o concurso de duas pessoas para excluir qualquer possibilidade de  participação das idéias de cada um dos médiuns. Foi assim, que Rivail,  presenciou comunicações seguidas constando de respostas dadas a questões  propostas, e muitas vezes a perguntas feitas mentalmente, que faziam perceber,  de modo evidente, a intervenção de uma inteligência estranha.
ZÉFIRO, O ESPÍRITO
A curiosidade e o entretenimento moviam  os assistentes. O Espírito que se manifestava dava o nome de Zéfiro, o que  estava bem de acordo com o seu caráter e o da reunião. Porém era um Espírito  muito bom, e declarava-se protetor da família Baudin. Muitas vezes sabia fazer  rir, outras vezes, dava bons conselhos e não perdia oportunidade de se utilizar  do dito mordaz e espirituoso. Rivail travou com ele boas relações, dando-lhe  constantemente provas de grande simpatia. Zéfiro não era um Espírito muito  adiantado, porém, assistido mais tarde por Espíritos superiores, ajudou Rivail  em suas primeiras obras. Depois de dizer que ia reencarnar, nunca mais se ouviu  falar dele.
PRIMEIROS ESTUDOS SOBRE ESPIRITISMO
Foi ali,  nas reuniões da casa da família Baudin, que Rivail fez os primeiros estudos  sérios sobre o Espiritismo, mais pelas observações que pelas revelações. Aplicou  a essa nova ciência, como sempre fizera, o método da experimentação. Nunca se  utilizou de teorias preconcebidas. Observava, comparava e deduzia as  conseqüências. Era através dos efeitos que procurava se aproximar das causas.  Deduzia pelo encadeamento lógico dos fatos. Só admitia uma conclusão como válida  quando esta conseguia resolver todas as dificuldades da questão - procedimento  este que utilizou também em seus trabalhos anteriores desde a idade de 24 anos.
Compreendeu Rivail, desde o início, a importância da pesquisa que  estava empreendendo. Enxergou naqueles fenômenos a chave do problema do passado  e do futuro da Humanidade, tão confuso e controvertido - a solução do problema  que havia buscado durante toda a sua vida. Era preciso agir com prudência e não  se deixar levar por ilusões.
Um dos primeiros resultados de suas  observações foi descobrir que os Espíritos, nada mais sendo que as almas dos  homens, não possuíam nem a suprema sabedoria nem a suprema ciência. Que seu  saber era limitado ao grau de seu adiantamento e que sua opinião só tinha o  valor de uma opinião pessoal. Esta verdade, reconhecida desde o início, o livrou  do grande perigo de acreditar em sua infalibilidade, impedindo-o de formular  teorias prematuras baseadas no que dizia um ou no que diziam outros.
As  sessões da casa do Sr. Baudin, que até aquela data não tinham tido uma  finalidade determinada, agora aconteciam de forma organizada e útil; as  frivolidades desapareceram. Rivail tomou a seu cargo procurar resolver problemas  interessantes sob o ponto de vista da Filosofia, da Psicologia e da natureza do  mundo invisível. A cada sessão levava consigo perguntas preparadas e  metodicamente dispostas que eram sempre respondidas com precisão, profundidade e  lógica. Se acontecia de Rivail faltar a uma dessas sessões, as pessoas ficavam  sem saber o que fazer, pois as perguntas fúteis perderam seu atrativo para a  maioria dos freqüentadores.
COMEÇA A SURGIR O LIVRO DOS  ESPÍRITOS
A princípio, Rivail só tinha em mente se instruir. Porém mais  tarde, quando viu que aquelas comunicações formavam um conjunto e tomavam  proporções de uma doutrina, teve a idéia de publicá-las para que todos se  instruíssem. Foram aquelas mesmas questões que, desenvolvidas e completadas,  constituíram a base do “O Livro dos Espíritos”.
 
DE RIVAIL A  KARDEC
Em 1856, o professor Rivail recebe dos Espíritos a revelação do  trabalho que tem de desenvolver na Terra. E assim surge o pseudônimo Allan  Kardec, com o intuito separar das obras pedagógicas escritas pelo professor  Rivail, as obras da codificação que eram feitas agora pelo Sr. Allan Kardec. O  pseudônimo foi escolhido porque correspondia a um nome que teria usado em uma  encarnação pregressa revelada por um Espírito que dizia conhecê-lo de remotas  existências, uma das quais passada no mesmo solo da França, onde a sua  individualidade tinha revestido a personalidade de um druida chamado Allan  Kardec.
 
INÍCIO DA ERA ESPÍRITA
A 18 de abril de 1857 raiou  para a humanidade a "Era Espírita", ao surgirem nas prateleiras das livrarias os  primeiros volumes de “O Livro dos Espíritos”.
Em 1° de janeiro de 1858  circula o primeiro número da "Revue Espirite" (Revista Espírita), editada em  Paris por Allan Kardec; no mesmo ano foi publicado o livro "Instruções Práticas  sobre as Manifestações Espíritas", e, ainda nesse profícuo 1858, exatamente a 1°  de abril, é fundada a "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas".

Em  1859 surge o livro "O que é o Espiritismo". A 16 de setembro de 1860 A. Kardec  publica a "Carta sobre o Espiritismo", em resposta a um artigo publicado na  "Gazette de Lyon". No mês de janeiro de 1861, Allan Kardec lança a público "O  Livro dos Médiuns" e, ainda nesse ano, no dia 9 de outubro às 10:30 horas da  manhã, em Barcelona, Espanha, são queima­dos num auto de fé trezentos volumes e  brochuras sobre Espiritismo, entre eles "O Livro dos Espíritos".
Em  fevereiro de 1862, Kardec publica "O Espiritismo na sua Expressão mais Simples",  e também neste mesmo ano, "Viagem Espírita em 1862".
Em 1864 são  editadas as seguintes obras: "Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas" ou  "Primeira Iniciação" e "Imitação do Evangelho Segundo o Espiritismo", chamado  posteriormente de "O Evangelho Segundo o Espiritismo".
No dia 1º de  agosto de 1865 é publicado o livro "O Céu e o Inferno", ou a "Justiça Divina  Segundo o Espiritismo". No ano de 1866 surge a "Coleção de Preces Espíritas", um  extrato do livro "O Evangelho Segundo o Espiritismo".
Em 1867 vem a  público "Estudo a cerca da Poesia Medianímica" e, em 1868, Kardec lança "A  Gênese - Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo", e o livro  "Caracteres da Revelação Espírita".  
RETORNO A PATRIA  ESPIRITUAL
Depois deste grandioso trabalho, no dia 31 de março de 1869,  com 65 anos de idade, em Paris, vítima da ruptura de um aneurisma, Allan Kardec  retorna à Pátria Espiritual. Sua missão se completa, no entanto, somente no ano  de 1890, quando é editado o livro "Obras Póstumas", reunindo os últimos escritos  do grande Codificador.
BIBLIOGRAFIA
Allan Kardec - Zêus  Wantuil e Francisco Thiesen - Edições FEB;
Vida e Obra de Allan Kardec -  André Moreil, 1977 - Editora EDICEL O Principiante Espírita - Júlio de Abreu  Filho - Editora Pensamento História do Espiritismo - Arthur Conan Doyle -  Editora Pensamento Kardec, Irmãs Fox e outros - Jorge Rizzini - Editora  Eldorado Espírita de São Paulo Grandes Vultos do Espiritismo - Paulo Alves de  Godoy - Edições FE­ESP Espiritismo Básico - Pedro Franco Barbosa - Edições  FEB Revista Informação N.35 Obras Póstumas - Allan Kardec - LAKE -  Livraria Allan Kardec Editora
NOTAS:
([1]) Aqui existe um engano do  biógrafo André Moreil, pois Allan Kardec, na "Revista Espírita" de junho de  1862, rebatendo a um padre sobre o tema 'Os milhões do Sr. Allan Kardec', diz o  seguinte: “... jamais morei em Lyon e, pois, não vejo como lá me tivessem  conhecido pobre"; concluímos assim que partiu ele de Lyon ainda criança para  estudar em Yverdun, e quando voltou à França, foi direto para Paris. É de se  estranhar tal erro, pois Moreil faz esta referência no mesmo livro (Vida e Obra  de Allan Kardec) na página 53. Nota do Autor.

([2]) Cesta-pião ou cesta  de bico, pequena cesta à qual se ajusta um lápis para escrever. As médiuns, as  meninas Baudin, colocavam os dedos da mão nas bordas da cestinha e ela se movia  sobre uma lousa.
Colaborou no desenvolvimento ortográfico deste texto:  Maria Luiza  Palha
http://aeradoespirito.sites.uol.com.br http://aeradoespirito.sites.uol.com.br/A_ERA_DO_ESPIRITO_-_Portal/A... Equipe Vinha de Luz