Pesquisar este blog

Follow by Email

LINK...

quarta-feira, 8 de maio de 2013

O TABU DA MENSTRUAÇÃO:


O Tabu da Menstruação


Há um bom tempo atrás eu estava conversando com a Márcia Frazão e ela chamou a atenção para uma situação pouco comentada no universo mágico: o tabu da menstruação.
Na sociedade contemporânea, a menstruação ainda é vista com reservas. Uma mulher bem educada não pode falar sobre menstruação, cólicas menstruais, ovulação ou qualquer aspecto de seu aparelho reprodutivo - salvo entre outras mulheres.
Esse "assunto feminino" deve ser banido para os banheiros femininos, rodas de amigas e consultórios ginecológicos - sempre com o absorvente usado devidamente escondido.
Enquanto isso, os rapazes falam abertamente de sua ejaculação, disposição sexual, problemas intestinais, conquistas amorosas e largam camisinhas usadas em todos os lugares, numa forma explícita de demonstrar virilidade. Qual a diferença?
A diferença está na regulação imposta sobre o corpo feminino, mais especificamente sobre sua capacidade de reprodução.


Há homens que se recusam a fazer sexo com uma mulher menstruada, pensando a menstruação como algo "sujo".
Outros preferem a mulher menstruada, pensando nos incômodos da paternidade, mas estes são minoria absoluta.
O que me espanta é ver a quantidade de mulheres que, negando o ciclo natural de seu próprio corpo, entendem que a menstruação é uma fonte de impureza. Vamos analisar o problema mais de perto, do ponto de vista mágico.


As formas de magia mais populares no Brasil utilizam a menstruação como um elemento mágico, sobretudo nas amarrações de amor.
No neopaganismo braçado pela classe média urbana brasileira e social em geral, a menstruação toma dois focos: é sinônimo de impureza ou força original e primária da mulher.
Essas duas posições são antagônicas e irreconciliáveis, embora tenham - do meu ponto de vista - uma origem comum.


Não vou descer aos meandros da análise histórica, até porque sempre vejo um desavisado bancando o historiador amador e caindo na esparrela de explicar qualquer coisa pela "civilização judaico-cristã".
Muitas outras culturas vêem a menstruação como algo impuro, como os ciganos, por exemplo.
Muitas culturas celebram a menarca de suas filhas, o que foi interpretado pela teoria feminista como um indício de que o corpo da mulher é mais sagrado para essas culturas do que para a cultura ocidental.
Este tipo de pensamento foi o que desenvolveu a idéia francamente abraçada - sobretudo nos EUA – de utilizar o sagrado e o religioso como formas de transformação de nossas atitudes cotidianas. Um simples gesto, muitas vezes, muda toda uma visão de mundo.


Mary Douglas foi uma antropóloga que descreveu a associação que muitas culturas realizam entre a impureza e o perigo. Sendo impura, a menstruação ofereceria algum grau de perigo.
Na verdade, penso que pode ter ocorrido o inverso. Sendo uma fonte mágica primordial, a menstruação foi um dia considerada o poder original feminino. Alguns cultos a deusas específicas, tomados por sacerdotes - uma vez expurgadas suas sacerdotisas - trocaram o sangue menstrual pelo sangue sacrificial dos sacerdotes, como na circuncisão, na castração ou na amputação dos mamilos.


O estabelecimento de uma nova ordem, com a dominação masculina e o desrespeito pelo feminino - que nem de longe é um problema exclusivo da "civilização judaico-cristã", visto não existir uma sociedade matriarcal na face do planeta - tornaram este poder sagrado perigoso e, conseqüentemente, impuro.
Não posso provar o que digo.
Embora eu me baseie em teoria antropológica e indícios arqueológicos do Paleolítico e Neolítico, conforme demonstrado por Riane Eisler e Marija Gimbutas, esta é uma teoria imbuída da crítica feminista - que tem seus pontos bons e ruins - e de uma visão de mundo neopagã, que nem sempre condiz com a realidade e muitas vezes distorce o sentido original do paganismo pelo mundo.
O sentido desta coluna, contudo, é iniciar uma reflexão sobre os aspectos mais cotidianos de nossa vida.


Aqueles que sempre passam sem crítica consciente.


O que fazer para mudar o cotidiano?
Magia não é nada, nem serve para nada, se não transformar o mundo à nossa volta.
Que não se espere, contudo, a aparição de um tio velhinho com uma gorda herança ou a queda súbita de um regime fascista.
A mudança deve antes ser interna.
Como diziam as feministas, "o pessoal é político".
Mudando nossas próprias atitudes e transformando as situações pessoais nós também transformamos o mundo. Se a leitora já se viu tratando a menstruação como algo impuro, pare, pense e reconsidere que tipo de ideologia está reproduzindo, às vezes de forma inconsciente.
Os corpos das mulheres são sagrados com todos os fluxos e humores eles contidos, assim como os corpos dos homens. Afinal, somos todos filhos dos deuses e os deuses não habitam apenas a alma.

Projeto Hécate