Pesquisar este blog

Carregando...

Follow by Email

LINK...

domingo, 31 de maio de 2015

O ESPÍRITO DAS PLANTAS DE PODER:




O poder de uma planta psicotrópica, terapêutica ou simplesmente mágico-defensiva ou ofensiva é resultado da interação destes fatores:

1. o poder próprio da espécie vegetal
2. o poder do lugar onde ela cresce
3. o período de coleta da planta
4. a observação dos ritos e tabus tradicionais que regulamentam a coleta da espécie e seu uso
5. o poder dos cantos e fórmulas (citações) que servem para "despertar" o poder da planta



Todas as plantas que curam, têm seu espírito curandeiro, além do seu espírito vital. Com a medicina (San Pedro ou Wachuma), pode-se ver o espírito curandeiro das plantas. O San Pedro tem a capacidade de chamar o espírito curador das plantas.

1. todas as plantas, sem exceção, têm um espírito vital, mas somente algumas possuem um espírito que outorga a visão, como no caso do San Pedro, ou então possuem um espírito curandeiro.

2. O espírito curandeiro evita o "contágio", a energia negativa que produz as enfermidades, quando se passa no paciente varas de certas madeiras cuja característica é possuir esse tipo de espírito. Essas varas defendem também o xamã(ou mestre) e clientes dos ataques dos "maleros".

3. O espírito da planta "sente", mas sua maneira de atuar depende da atitude que se tem com ela: uma atitude ritualmente correta traz como resultado uma ação positiva, enquanto que uma atitude descuidada no que diz respeito ao aspecto ritual, ou de desrespeito, produz como reação uma ação negativa, um "castigo". E mais: o tipo e o valor das ofertas (oferendas, o autor usa a palavra "pagos") podem fazer com que o poder de uma planta volte-se contra quem está usando-a para favorecer o inimigo que ofereceu uma melhor oferenda(mejores "pagos").

4. O "poder", por si só, nuca é bom ou mau. É ambivalente, bom e mal ao mesmo tempo: Todas estas plantas também têm espírito curandeiro ou "malero". Se usam na mesa do curandeiro e do "malero", com fins opostos. O que determina que as plantas atuem positivamente (curando, defendendo, permitindo a visão) ou negativamente (contagiando, ofendendo, obscurecendo) depende da intensão do praticante e da finalidade do rito oficiado por ele. Emerge, com toda evidência, a estrutura arcaica do sagrado cujo poder deve ser oportunamente propiciado e controlado - polarizado - para não resultar em danos. A partir desta perspectiva, é significativa a atitude ritual do xamã que apresenta as oferendas aos instrumentos do seu inimigo(ou seja, aos espíritos que animam esses instrumentos) para neutralizar seu poder. Este procedimento tem a mesma estrutura do rito romano da "exauguratio" cujo objetivo era propiciar o favor de todos os deuses do inimigo de Roma. Ao que se refere ao Peru, há notícias de ritos para fazer diminuir o poder das "huacas" dos inimigos. Obs. huaca - conforme o autor, espírito protetor que vive nas pedras e locais sagrados. Apesar desse ser o significado mais usual, huaca também pode ser o animal de poder como o puma, o gato, a serpente; varas mágicas, pedras atingidas por raios, pedras com formas diversas ou insólitas, ossos de múmias pré-colombianas, etc.

5. Por meio da bebida ritual que desentrava as portas da visão, os espíritos das plantas se manifestam assumindo as formas das plantas na plenitude de seu florescimento. O espírito das plantas psicotrópicas - como o San Pedro - pode assumir formas zoomórficas ou antropomórficas, ou falar com o xamã como uma voz que o instrui.

6. A reação negativa das plantas cujo espírito fica "bravo" com as infrações rituais produz a síndrome da "schucadura" em uma forma particular com manchas e erupções cutâneas. (pags. 297 e 298).

Nota: (Tradução: Menkaiká

Fonte: "DESPIERTA, REMEDIO, CUENTA...": ADIVINOS Y MÉDICOS DEL ANDE - Tomo I e II - Pontificia Universidade Catolica del Peru - Autor: Mario Polia Meconi)