Pesquisar este blog

Carregando...

Follow by Email

LINK...

domingo, 17 de janeiro de 2016

ESPECIAL ASTROLOGIA (PARTE I DE III)- A QUESTÃO DOS "13 SIGNOS:







A Astrologia possui agora 13 signos? Seria a constelação do Serpentário ou Ofiuco o 13º signo? Será??? Vamos colocar um fim a celeuma que vem desde 2011 e foi criada dentro da Astronomia por alguns astrônomos americanos que, ao que parece, não entendem muito de Astrologia (bons tempos em um passado remoto que astrólogos e astrônomos compartilhavam conhecimento, mas enfim...). Eis a matéria sobre o “novo signo”:


http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/01/movimento-da-terra-mudou-signos-do-zodiaco-dizem-astronomos.html


Essa historia da constelação do Serpentário como “13º signo” é antiga, volta e meia algum astrônomo tenta reavivá-la.


A questão é que a Astrologia estuda 12 áreas fixas do céu, cada uma com 30 graus, relativamente próximas as constelações que nomeiam os signos nessas áreas e é isso que o pessoal que não estuda Astrologia não entende, pois obviamente se fossemos depender de associar os arquétipos dos signos apenas ao movimento referido pelos astrônomos (Sol pelas constelações), teríamos que desconsiderar, por exemplo, o papel relevante que Plutão tem na Astrologia e na Cabala (representado como Daat) por não ser mais considerado pelos astrônomos como um planeta ou ainda desconsiderar o significado histórico da estrela Regulus (alpha Draconis) que na época de Jesus estava no signo de Leão (e por isso sempre foi associada aos reis, pois quando a Astrologia começou a ser estudada essa estrela estava na constelação de Leão) sendo que atualmente esta estrela encontra-se no signo de Virgem (apesar de permanecer na constelação de Leão).





Quem já utilizou o programa Stelarium observou que existe um módulo que mostra os símbolos de cada constelação ( por exemplo, uma mulher segurando uma espiga de trigo para a constelação de Virgem, um caranguejo para a constelação de Câncer e por aí em diante) na forma de um globo imaginário que envolve toda a Terra, como se a Terra fosse o centro do Sistema Solar. Esse globo imaginário é chamado de abóbada celeste.


Temos 88 constelações, sendo que o Sol no seu movimento aparente (como é visto por quem está na Terra observando o céu) de 365 dias em relação a Terra (a translação da Terra ao redor do Sol, mas lembre-se a Astrologia estuda a posição dos astros em relação a Terra) cruza significativamente por 12 dessas constelações, formando aquilo que se conhece como círculo zodiacal, pois os planetas orbitam o Sol na faixa da eclíptica (um plano onde praticamente todos os astros ficam alinhados no horizonte com o Sol, com uma diferença de variação de 8 graus) como é possível observar na imagem abaixo.







O que os astrólogos fizeram desde a Antiguidade foi, primeiramente, nomear essas constelações as associando com homens, heróis, mulheres e, sobretudo animais, associação que vale lembrar permanece até os dias de hoje e continua sendo utilizada pelos astrônomos, lembrando em parte uma época em que astrônomos e astrólogos eram praticamente uma única ciência.


Ao perceberem esse movimento aparente do Sol de forma constante no céu (devido ao plano da eclíptica e ao movimento de translação, alinhado ao globo de 360 graus com as constelações envolta da Terra) perceberam exatamente que o Sol passava por 12 constelações e a partir daí dividiram o céu em 12 áreas fixas, com 30 graus cada, formando os 360 graus do círculo ou disco, o que dá origem ao estudo do mapa natal, pois a palavra Zodíaco significa exatamente isso: círculo de animais. Um bom programa para se ter uma idéia clara e tridimensional sobre a eclíptica é o Solar System Scope:


http://www.solarsystemscope.com/


E aqui começa o ponto que os astrônomos não entendem: a Astrologia denominou essas 12 áreas fixas como signos, ou seja, os signos não são as constelações, os signos são as representações, nas 12 áreas fixas de 30º, dessas 12 constelações.


Sendo assim, temos 12 regiões fixas ou geométricas na abóbada celeste, cada uma delas representada por um signo, sendo que os arquétipos milenares da Astrologia estão baseados no movimento do Sol e dos astros dentro dessas áreas fixas, nomeadas e inspiradas nos seus arquétipos relativos às doze constelações.


Por essa razão que os astrônomos não entendem que alguém seja do signo de Câncer por ter nascido em 25 de junho se o Sol estava passando nessa época pela constelação de Gemini (Gêmeos), ou ainda porque alguém nascido em 21 de setembro seja do signo de Virgem enquanto o Sol passava pela constelação de Virgem, isso porque os signos (repetindo) dizem respeito a 12 áreas fixas de 30 graus no céu, o zodíaco (circulo zodiacal) e não necessariamente a pessoa terá um signo igual a passagem do Sol pela constelação que deu origem ao arquétipo daquele signo (embora isso possa acontecer, sobretudo se a pessoa nascer sob o signo de Virgem).


Se a Astrologia estudasse os arquétipos e significados da passagem do Sol e demais astros pelas constelações no plano da eclíptica, aí sim teríamos que adotar a tabela fornecida pelos astrônomos







Mas como a Astrologia estuda os arquétipos e significados da passagem do Sol e demais astros pelas 12 áreas fixas do céu, a tabela utilizada é essa aqui:







Por isso que alguém nascido entre 20-21 de junho poderá ser do signo de Gêmeos ou Câncer, não porque o Sol esteja passando pela constelação de Gêmeos ou de Câncer, mas porque é verificado se naquele dia, em determinada hora e local o Sol estava dentro da zona de 30 graus no céu (eclíptica) correspondente ao signo de Gêmeos ou dentro da zona correspondente a Câncer.


Por esses motivos é que não existe signo do Serpentário ou signo de Ofiuco. Para os astrônomos existem 13 constelações que estão dentro do círculo zodiacal (a área da ecliptica pela qual o Sol percorre a abóbada celeste ao longo de um ano), já para os astrólogos a constelação do Serpentário está profundamente associada, dentro da mitologia, a Escorpião e exatamente por essa razão não dividiram o céu em 13 áreas fixas, mas sim 12 áreas fixas, representando o signo de Escorpião com os arquétipos e mitos que envolvem a constelação de Escorpião e do Serpentário.


Há também um outro motivo, curiosamente com base na astronomia, para que os astrólogos utilizem a divisão em 12 signos e 12 áreas fixas do céu desde tempos remotos na Antiguidade, mas isso é tema para o próximo texto, que vai explicar a ligação da Astrologia com a Cabala e mostrar como os cabalistas de um passado remoto já sabiam da existência de Plutão séculos antes que ele fosse descoberto (ou redescoberto) pela Astronomia moderna.


O que podemos então concluir sobre o assunto?


Primeiro:existe o movimento solar (ao longo do plano da eclíptica) por 13 constelações (e não signos).


Segundo:com base nesse movimento é que os astrólogos da Antiguidade (que eram também astrônomos) criaram não apenas as 12 áreas fixas do céu associadas à 12 dessas constelações como também criaram toda a mitologia e os arquétipos para representar cada uma dessas constelações com a aparência de homens, heróis e animais.


Terceiro:Mesmo que esses arquétipos não sejam estudados nos dias de hoje na Astronomia, a representação mitológica das constelações permanece, ou seja, as estrelas que formam a constelação de Leão continuam sendo representadas como um Leão.


Quarto: as constelações não são signos, os signos são representações com base nas constelações e com base no movimento do Sol por essas constelações, inclusive na criação dos arquétipos. Isso inclusive está explicado ao final do livro “Armagedoom 2036” explicando porque a constelação de Virgem recebeu essa simbologia (de uma mulher segurando uma espiga de trigo).


Houve um tempo que astrólogos e astrônomos estudavam juntos, tempo no qual os astrólogos sabiam da necessidade de conhecer os conhecimentos astronômicos para que pudessem desenvolver os arquétipos de Astrologia e os astrônomos sabiam da necessidade de conhecer os conhecimentos astrológicos para que entendessem como a posição dos astros no céu poderia identificar de forma tão exata características do comportamento humano.


Duas ciências que trabalhavam juntas e que muito colaboraram com outra fonte de estudos iniciáticos, a Cabala. Todos esses estudos, que veremos no próximo post, explicam porque a Astrologia decidiu dividir o céu em 12 áreas fixas (os 12 signos) eporque cada esfera da Arvore das Vidas da Cabala está intimamente ligada ao movimento dos astros no céu, um tempo que Astronomia e Astrologia eram ciências irmãs...


O livro Armagedoom 2036 está em promoção até amanhã (17 de janeiro) no Clube dos Autores, para acessar o site clique no banner abaixo:



.




Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
https://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036/

Fórum Profecias 2036:
http://www.profecias2036.com.br/forum/