Pesquisar este blog

Carregando...

Follow by Email

LINK...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A MEDITAÇÃO XAMANICA COMO MECANISMO DE AUTOCURA:





A meditação xamanica como mecanismo de autocura

Na meditação xamanica faz-se uso de varias ferramentas associadas para mobilizar o conjunto corpo-emoções-mente e espírito para penetrarmos em nosso conteúdo inconsciente e lidarmos com fatos arquivados em um momento em que não tínhamos forças e recursos para lidar com os mesmos, e este acesso permite que nos curemos.


Meditar em si já é saudável, pois o nosso ritmo em atividades normais produz em nossa mente uma emissão de ondas eletromagnéticas do tipo alfa (14 a 40 Hz) e ao entrarmos em relaxamento, colocando a atenção em funções orgânicas como a respiração e batimento cardíaco, nosso ritmo mental-energético lentifica-se para ondas betas (7 a 14 Hz) e como a vibração do planeta está em 13 Hz (Ressonância Schulman) entramos em compasso com o mesmo, nos harmonizando. Quando estamos produzindo ondas alfa, estamos acelerados em relação ao planeta, como se vivêssemos no futuro, gerando ansiedade, medos pela desconexão, e desgaste celular nos levando ao envelhecimento precoce.


Se acrescermos a meditação os sons harmônicos, relaxantes, seja por toque de instrumentos, ou de musica gravada, as ondas que compõe a musica atuam não somente em nossos ouvidos e mente, mas são percebidos por todo nosso campo eletromagnético, na pele atuando em nosso sistema nervoso, nos sensibilizando e trazendo de volta ao presente, reduzindo nosso ritmo mental, distraindo parte de nossa mente consciente, reduzindo nossas defesas e censuras internas, nos predispondo a acessar o conteúdo do inconsciente.
Com estas duas ferramentas, meditação e musica, e pela lentificação do ritmo cerebral, nossa capacidade de aprendizado se magnífica, pois temos maior nível de concentração, mudamos o foco do tumulto do mundo exterior comandado pelo Ego, para nosso mundo interior, orientado pela somatória do consciente e inconsciente, em mesmo ritmo, harmonizando-nos com tempo-espaço planetário, e entramos em fluxo, reduzindo tensões energéticas, despertando nossa sensibilidade e intuição, permitindo que entremos em estado Amplificado de Consciência.


Na meditação xamanica, se utiliza a evocação de um animal de poder, ou de símbolos em geral, o que tem função orgânica, pois faz com que nossa mente instintiva, que atua normalmente como uma voz interna, gerada no cérebro reptiliano, a qual contém todos os aprendizados e adestramentos dentro das verdades (crenças) que assumimos como leis internas, se ocupe e concentre em gerar a visualização do objeto da forma mais nítida e detalhada possível, e por a mente não saber diferenciar o que é experiência realmente vivida da percepção imaginada, se distraia de defender nossas crenças, que não desejamos abrir mão, pois nos geram sentimento de segurança, e acabam por nos auto-sabotando.


O animal de poder, assim como todo arquétipo trazido a mente tem uma função de trazer a busca da cura do Ser, trazendo para Luz da consciência, algum conteúdo do inconsciente (lado sombra), onde estão todas nossas forças, habilidades latentes, assim como os conteúdos emocionais que na época que aconteceram, ainda não tínhamos a maturidade emocional para lidarmos com o fato adequadamente. Deste modo com o auxilio do animal visualizado, pode-se conduzir a pessoa em meditação tanto ao lado sombras, como para lucidez de sua alma, unindo inconsciente para supra consciente, mantendo a consciência como observadora.


Para entendermos melhor este mecanismo, vamos explorar nosso funcionamento interno:
Nossos sentidos percebem ondas energéticas com determinadas freqüências e entidades, cada objeto ou ser tem uma assinatura energética característica. Conforme crescemos e ao entrarmos em contato com as mesmas, aprendemos a perceber o que é material com imagem associada a uma nomenclatura, geradas pela informação do nome do mesmo, gerando a compreensão mental, oriunda da decodificação da emissão energética, do que é, por exemplo, um gato, e esta percepção se torna um código que dura toda nossa vida, parte de nosso banco básico de informações, e é a nossa primeira experiência com o gato que nos da um significado intelecto-emocional.


Só é possível a leitura deste artigo a quem aprendeu o alfabeto (imagens) a associar cada letra a um som, e a soma de letras a palavras, e geramos um processo mental inconsciente, onde todo nosso conhecimento se torna em um processo energético codificado, graças ao potente computador que é nosso cérebro.


Nosso corpo irradia pela sua constituição energética um campo eletromagnético onde as informações se depositam como arquivos acessíveis a qualquer momento, onde o cérebro busca uma imagem/som já aprendido ao receber uma perturbação energética conhecida.
Quando não existe um arquivo exato, ele procura por similaridade, ou não consegue decodificar a energia.


No xamanismo, pela orientação do condutor da meditação, se pede que um animal de poder se apresente referente ao assunto que se deseja trabalhar na mesma.


A mente buscará a energia no campo informacional, ligada ao mesmo, e a decodificará como um animal, se pedirmos que seja como uma flor, um objeto, assim ela fará, influída pelo comando sugerido. Muitas vezes a imagem do animal que surge é de um que admiramos e/ou conhecemos e por aprendizado ficará mais acessível na mente, onde acabamos gerando imagens dos animais mais comuns ligados ao nosso conhecimento do meio xamanico.
Também podemos constatar que além de nossa mente que atua no nível consciente e que comanda nossas escolhas, temos uma serie de inteligências orgânicas, semi autônomas, que garantem nossa sobrevivência. Elas fazem parte fisicamente de nosso cérebro primordial, o reptiliano, onde estão sediadas as forças anímicas.


Entre estas inteligências estão o sistema nervoso central que representa nossa ligação com o presente e o mental, o sistema linfático que nos fornecem as defesas e trabalham como passado, o sistema digestorio, que se responsabiliza pela energia e reservas para o futuro, o respiratório com o meio, a pela com a sensibilidade, nosso limite da individualidade na matéria.


Se considerarmos que cada força da natureza em nós, cada qualidade, habilidade, são arquivos energéticos, como se fossem cristais que flutuam no nosso campo informacional, e nossa mente só reconhece aquilo com o que já teve contato, e é extremamente limitada na interpretação de campos energéticos, da percepção sensorial, ela busca naquilo que conhece, e nas nossas crenças, no significado que cada objeto ou ser tem para nós, como padrão de decodificação, então nosso animal de poder se apresenta conforme nossa carga emocional, nossa interpretação desta energia.


É incrível para se imaginar, que quando se pede para uma destas inteligências autônomas do corpo físico, ou pedimos ao nosso inconsciente para trabalharmos um determinado conteúdo, que nos gera desarmonia, pela busca do corpo pela sua melhor condição, por sua homeostase, ele se associa ao processo de cura, trazendo a imagem simbólica necessária para que possamos interagir e compreender com este conteúdo, de forma que ressignificando e/ou desintegrando sua componente energética estagnada, possamos nos curar.









A mente, muitas vezes gera o esquecimento de um trauma emocional, porém o corpo físico mantém todos os registros, com todos os mínimos detalhes, o uso do arquétipo de animal de poder se torna uma ferramenta eficaz, inclusive possibilita se colocar a pessoa como observadora do seu processo, trazendo lucidez sobre o fato, sem a necessidade de reviver a dor, e mesmo que houver catarse será apenas a necessária para consumir a carga energética associada. Além do que muitas vezes uma parte nossa emocional que ficou retida e congelada, no tempo e espaço na situação, gerando uma perda de um pedaço de alma, o que por si só gera uma perda de nossa integridade, e com auxílio do animal de poder, atuando como uma força da Natureza em nosso corpo, sabe exatamente qual é a assinatura energética desta parte, e pode acessá-la, retirando-a do congelamento, e pela conscientização, pode-se reprogramá-la, reintegrando a mesma ao momento atual, gerando cura do trauma causador da dor.



Porém, quando a meditação xamanica é utilizada de forma consciente e orientada por um terapeuta, que possui as habilidades do xamã, ele tornando em uma ferramenta da cura do Ser, ativando através de seu conteúdo energético o do cliente, magnificando-o, ajudando que suas próprias forças internas localizem e trabalhem o próprio conteúdo, e restaurem sua integridade, e reconexão perfeita e livre entre todos os corpos, alma, seu próprio espírito e sua essência.

No xamanismo trabalha-se com o viajante, retirando-o do mundo problemático externo, ajudamo-lo a se harmonizar através do reequilíbrio energético (limpeza e alinhamento de chacras), despertamos suas forças internas inconscientes, elevando o padrão vibracional até que ela atinja seu melhor estado energético, para reconecta-la ao seu próprio espírito, e que quando ela atinge este estado de equilíbrio senso-emocional, ele possa perceber a si mesmo e seus problemas com um olhar sem julgamentos, portanto sem culpas, e pesos desnecessários, com a compaixão e sabedoria inerentes de seu eu Superior, e pela meditação e condução gerar sua própria cura.

Para isto precisamos entender o papel do terapeuta-xamã:

O xamã é aquela pessoa, mais do que o estudioso das tradições ancestrais e suas ritualísticas, aquele que desenvolve em si a hiperconsciência, sendo capazes de ouvir e se comunicar com a Natureza e os espíritos que a compõe, consegue ressoá-los em si, e se permite ser seu mensageiro, como medianeiro do que a Natureza que reside em cada um de nós deseja expressar, torna-se sua voz, intérprete do corpo-mente e da essência do outro que lhe busca solicitando apoio no caminho da própria descoberta, porém, o faz com o coração limpo de crenças de certo-errado, que geram julgamentos, com sua própria mente silencioso estando apenas no Bem, deixando seu melhor fluir de sua alma, e com a capacidade de perceber no conflito do outro, com a isenção daquele que olha seus próprios conflitos. Sabe como é difícil decidir explorar o desconhecido mundo que existe dentro de nós, por já ter mergulhado em si mesmo, e está em constante trabalho com sua própria consciência, suas sombras, medos, habilidades, para obter a posse de si, sendo através disto capaz de identificar o que é seu conteúdo psicológico e o que é o de externo a si.


Então o terapeuta- xamã então se torna não somente aquele que é mestre em rituais, conhecedor das técnicas, mas aquele que adquiriu a capacidade de se reconectar com o seu próprio espírito capaz viajar no tempo e espaço, indo buscar e despertar no inconsciente daquele a quem ele conduz em meditação o processo a ser trabalhado pela consciência não do xamã, mas pela própria pessoa, não pela informação descrita, mas porque a própria pessoa vivencia a experiência com toda sua senso-percepção, pois a cura só pode ser realizada na pessoa que sente e compreende o seu próprio processo. Neste sentido, o xamã moderno, urbano, tem a função de ajudar ao viajante a interpretar a sua própria alma, possibilitando uma conversa de alma com alma, de corpo com corpo, ou mais tecnicamente permitir que sua sensibilidade e capacidade de navegar pelos seis sentidos percebam e decodifique o campo vibracional de seu cliente, de forma que todas as suas partes conscientes e inconscientes possam ser ouvidas, expressar o que as incomoda, onde existe desacordo entre elas, gerando tensões e doenças, prejudicando a integridade do Ser, que é mais que um corpo e mente, mas sim um complexo de energias em movimento e trazendo na atuação transenergética, uma coerência, organização no fluxo energético pessoal, gerando saúde e paz interior.

A cura vem quando a consciência toma para si as rédeas da situação, gerando a compreensão, ressignificação, desprogramando o adestramento da mente, se libertando dos padrões repetitivos dolorosos, pois o aprendizado necessário é realizado durante a meditação, não sendo mais necessário vivenciá-lo na vida real.

Fonte - www.somostodosum.ig.com.br / Ingrid Monica Friedrich
Por Mavi Hostettler/www.essencia.ning.com

imagens Internet
******Este trabalho pode ser compartilhado com outros
sites desde que os direitos autorais sejam
respeitado citando a fonte de pesquisa / autor e o link.

Obrigado por incluir o link de nosso website quando
compartilhar este trabalho com outros. (MaviHostettler)





INVOCAÇÃO DA UNIFICAÇÃO DOS CHAKRAS:






Eu inspiro Luz Através do centro do meu coração,

Tornando o meu coração

Uma linda bola de luz,

Que me permite expandir.



Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu chakra da garganta

E o meu chakra do plexo solar

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.





Eu inspiro Luz Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu chakra da testa

E o meu chakra do umbigo

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.







Eu inspiro Luz
Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu chakra da coroa

E o meu chakra da base

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.



Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu chakra Alfa

(Vinte centímetros acima da minha cabeça)

E o meu chakra Ômega

(Vinte centímetros abaixo da minha coluna)

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Deixo que a Onda de Metraton

Se mova entre esses dois pontos.

EU SOU uma unidade de Luz.







Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

envolvendo o meu oitavo chakra

(Acima da minha cabeça)

E a parte superior de minhas coxas

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta de meu corpo.

Deixo que o meu corpo emocional se funda

Com o meu corpo físico.

EU SOU uma unidade de Luz.



Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu nono chakra

(Acima da minha cabeça)

E a parte inferior de minhas coxas

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta de meu corpo.

Deixo que o meu corpo mental se funda

Com o meu corpo físico.

EU SOU uma unidade de Luz.







Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu décimo chakra

(Acima da minha cabeça)

E (indo) até meus joelhos

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Eu deixo que meu corpo espiritual se funda

Com o corpo físico,

Formando o campo unificado.

EU SOU uma unidade de Luz.



Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo meu décimo primeiro chakra

(Acima de minha cabeça)

E a parte superior da barriga de minhas pernas

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Eu deixo que a Mente Suprema se funda

Com o campo unificado.

EU SOU uma unidade de Luz.






Deixando que a Luz se expanda,
Envolvendo meu décimo segundo chakra

(Acima da minha cabeça)

E a parte inferior da barriga de minhas pernas

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Eu deixo que a Mente Crística Suprema se funda

Com o campo unificado.

Eu Sou uma unidade de Luz.



Eu inspiro Luz

Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo meu décimo terceiro chakra

(Acima da minha cabeça)

E meus pés

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Eu permito que a Mente Suprema EU SOU se funda

Com o campo unificado.

EU SOU uma unidade de Luz.







Eu inspiro Luz Através do centro do meu coração,

Deixando que a Luz se expanda,

Envolvendo o meu décimo quarto chakra

(Acima da minha cabeça)

E (indo) até abaixo dos meus pés

Para formar um campo unificado de Luz

Dentro, através e em volta do meu corpo.

Eu deixo que a Presença da Fonte se mova

Através do campo unificado.

EU SOU uma unidade de Luz.





Eu inspiro Luz Através do centro do meu coração.

Eu peço que

O nível supremo do meu Espírito

Se irradie
Do centro do meu coração,

Preenchendo este campo unificado,

Eu irradio por todo este dia.

EU SOU uma unidade de Espírito.




Invocações do livro: 'O Que É O Corpo De Luz' - Mensagem do Arcanjo Ariel

Canalizada por Tashira Tachi-ren




Fonte- www.anjosdeluz.net
Por Mavi Hostettler/www.essencia.ning.com
imagens Internet
******Este trabalho pode ser compartilhado com outros
sites desde que os direitos autorais sejam
respeitado citando a fonte de pesquisa / autor e o link.
Obrigado por incluir o link de nosso website quando
compartilhar este trabalho com outros. (MaviHostettler)


A CORRENTE DE ESPÍRITOS CIGANOS NA UMBANDA!!!


A CORRENTE DE ESPÍRITOS CIGANOS NA UMBANDA!

Pertencem à uma linha de trabalhadores espirituais que busca seu espaço
próprio pela força que demonstram em termos de caridade e serviços a humanidade. Seus préstimos são valiosas contribuições no campo do bem-estar pessoal e social, saúde, equilíbrio físico, mental e espiritual, e tem seu alicerce
em entidades conhecidas popularmente como "encantadas".
São entidades que há pouco tempo ganharam força dentro dos rituais da Umbanda. Erroneamente, no começo eram confundidos com entidades espirituais que vinham na Linha dos Exùs, tal confusão se dava por algumas Ciganas se apresentarem como Cigana das Almas, Cigana do Cruzeiro ou nomes semelhantes a esses utilizados por Exús e Pomba-giras.
Hoje, o culto está mais difundido, se sabe e se conhece mais coisas sobre essas entidades, chegando algumas casas a terem um ou mais dias específicos para o culto aos Espíritos Ciganos.
Tem na Umbanda, mais um alicerce espiritual, amor incondicional à proteção da natureza. Encontraram na Umbanda, um lugar quase ideal para suas práticas, por uma necessidade lógica de trabalho e caridade.
Na Umbanda, passaram a se identificar com os toques dos atabaques, com os pontos cantados em sua homenagem e com algumas das oferendas que são entregues às outras entidades cultuadas pela Umbanda. Encontraram lá, na Umbanda, uma maneira mais rápida de se adaptarem a cultos e é por isso que
hoje, é onde mais se identificam e se apresentam.
São entidades oriundas de um povo muito rico de histórias e lendas, foram na maioria andarilhos que viveram nos séculos XIII, XIV, XV e XVI.
Tem na sua origem o trabalho com a natureza, a subsistência através do que plantavam e o desapego as coisas materiais.

Dentro da Umbanda, seus fundamentos são simples, não possuindo assentamentos ou ferramentas para centralização da força espiritual. São
cultuados em geral com imagens bem simples, com taças com vinho ou com água, doces finos e frutas solares. Trabalham também com as energias do Oriente, com cristais, incensos, pedras energéticas, com as cores, com os quatro sagrados elementos da natureza e se utilizam exclusivamente de magia branca natural, como banhos e chás, elaborados exclusivamente com ervas.
Diferentemente do que pensamos e aprendemos, raramente são incorporadas, preferindo trabalhar encostadas e são entidades que devem ser cultuadas na
Direita, pois quando há necessidade de realizarem qualquer trabalho na Esquerda, são elas que se incumbem de comandar as entidades Ciganas que trabalham para este fim, por isso, não precisam de assentamentos.
Por isso tudo fica evidenciado que são entidades que trabalham exclusivamente para o bem.
Santa Sara Khali é sua orientadora, para o bom andamento das missões espirituais. Não devemos confundir isso com sincretismos, pois Santa Sarah é
tida como Orientadora Espiritual e não como Patrona ou imagem de algum sincretismo.

Os ciganos, são espiritos desencarnados homens e mulheres que pertenceram
ao Povo Cigano. Em geral, tem seus rituais especificos e cultuam muito a natureza, os astros e ancestrais. Dentro da Umbanda, trabalham para o progresso financeiro e para as causas amorosas. Cheios de simpatias espitiruais, os Espiritos Ciganos trabalham para a cura de doenças espitiruais. Dentro da ritualística umbandista, falam a língua "portunhol"; alguns poucos, falam o Romanês, língua original dos Ciganos. As incorporações acontecem geralmente em Linha própria, mas nada impede que eles possam a vir trabalhar na linha de Exú.
Muito se ouve falar que a linha de Cigano faz parte da Linha de Exú, que os Ciganos são entidades ainda em evolução, tentando ingressar na Linha de Exú,
que Pomba-gira Cigana ou Ciganinha, foram as únicas Entidades Ciganas que evoluíram e ingressaram na Linha de Exú...
Essa falta de entendimento, que é na realidade uma simples dedução, faz com
que muitos terreiros não deixem os médiuns trabalharem com essa Linha.
Chegam a dizer que são entidades sem luz.
Os Ciganos são entidades livres. Não se faz "firmezas" ou "assentamentos" para Ciganos dentro da "Casa de Exú" ou em qualquer lugar do terreiro.
Quem diz que tem seu Cigano "preso" no Terreiro, não passa de um mentiroso.
Ele tem é "obsessor preso".

Onde já se viu firmar Cigano como Guardião?

Cigano trabalha em todos os "lugares", são livres para trabalhar e precisam dessa liberdade para sua evolução, pois é dando corda que se enforca uma pessoa. E assim também se faz, com desencarnado.
Os Ciganos não trabalham a serviço de um Orixá específico por isso não são guardiões de um terreiro. Essa Linha trabalha em paralelo e conjugada com as demais, onde o seu compromisso primeiro é com a caridade e não com nenhuma outra Linha específica. São protetores e não guardiões.
Podem trabalhar dentro da Linha de Exú, porém sem função de chefia e de guarda. Já os Exus Ciganos e Pombo Giras Ciganas são Exus e Pombo Giras como outros quaisquer exercendo todas as funções que qualquer Exu e Pombo Gira exercem. Em resumo: Cigano é uma coisa, Exu Cigano é outra. Eles têm funções diferentes, embora a mesma origem cigana.
Os Ciganos se manifestam nos terreiros de Umbanda, justamente por Ela ser uma religião aberta e dar liberdade para qualquer Linha de trabalho que venha fazer Caridade.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

CIGANA ROSA DO BARALHO DE OURO:


Hoje contarei a vocês a incrível historia de umas das entidades espirituais da Umbanda na linha de ciganos. Esta entidade se chama Cigana Rosa do baralho de ouro, a qual uma vez contou-me sua história de quando vivia no plano terreno. Vamos lá!

A Cigana Rosa do Baralho de Ouro

Certa vez em um povoado situado perto do litoral do Brasil, havia uma linda moça cigana de belos cabelos escuros e ondulados que havia por ali nascido e criada junto de seu povo. Rosa era uma menina encantadora e de uma beleza incomparável, era amada por todos e trazia consigo um grande dom da vidência e da cura!! Não eram poucas as pessoas que muitas vezes recorriam a jovem cigana para curar suas enfermidades tanto da alma quanto do coração.

Rosa era amante da natureza, gostava de admirar suas belezas e principalmente a Lua. Ao completar 15 anos, a cigana mais velha da aldeia a chamou e lhe entregou uma estranha caixa a qual disse que Rosa só poderia abrir quando necessitasse de ajuda. Certa vez Rosa caminhava pela praia e viu várias moças de seu povoado que namoravam alegremente sobre a areia, Rosa como gostava muito da sua própria liberdade não se imaginava presa a um homem ou em único lugar. Porém ela sabia que pelo costume do seu povo, como já estava com 15 anos deveria logo casar, e este dia era o que ela mais temia….

Em um dia o cigano chefe da aldeia comunicou os pais de Rosa que havia um moço que deveria ser o seu futuro marido. Os pais embora temerosos por saber a aversão da filha sobre casamentos concordaram e aceitaram, pois não haveria muito que se fazer. Então certa tarde a mãe da jovem cigana saiu a sua procura, Rosa estava sentada embaixo de uma árvore pensando sobre o que seria o presente da velha cigana. Ao perceber que sua mãe se aproximava a cigana correu para abraçá-la, mal sabendo ela que a mãe não traria boas notícias. Em breves palavras a mãe de Rosa lhe contou do ocorrido, fazendo com que Rosa caísse em prantos. Sua mãe penalizada a confortou dizendo que esse era o destino de todas as mulheres daquela aldeia e que ela deveria aceitar para não sofrer as consequências.

Porém Rosa que mantinha dentro de si a alma livre jamais aceitaria isso, ela via que não eram poucas as ciganas que casavam e perdiam a sua graça e beleza e liberdade e que muitas também eram agredidas pelos próprios que juravam amor eterno e proteção. Sendo assim Rosa sabia que um casamento seria o fim de sua felicidade, mas que também não haveria o que se fazer para livrar-se desse tormento. Foi então que lembrou quase que em uma visão da velha cigana que já havia falecido e de seu presente, na sua mente veio às palavras “use-a apenas quando estiver necessitando de ajuda”. Então Rosa correu para sua tenda e pegou a caixa que parecia estranhamente brilhar, ao abrir Rosa se deparou com um incrível baralho de ouro e com inúmeras lembranças de muitas ciganas que utilizaram daquele baralho.

Rosa pegou o baralho e saiu em busca de um local tranquilo na praia, ao sentar rezou aos Deuses que lhe dessem orientação necessária naquele momento de solidão. Ao abrir o baralho Rosa entendeu que sua liberdade dependia apenas dela, foi como se o baralho falasse com ela lhe mostrando os caminhos, logo Rosa entendeu o porquê de tão poderoso que era o presente dado pela antiga cigana. Passado alguns dias na aldeia não se falava em outra coisa a não ser o casamento da cigana Rosa. O jovem cigano tentou inúmeras vezes se aproximar de Rosa, mas ela sempre o tratava com formalidade, apenas para ninguém desconfiar de seu plano.

O casamento estava marcado para próxima Lua nova, na qual segundo os ciganos é a Lua das renovações. Conforme as tradições ciganas, a festa iniciaria uma semana antes e acabariam dois dias depois. Sendo assim, faltando apenas três dias para o casório foi a anunciada a famosa dança do hino cigano, no qual Rosa deveria dançar, e isso ela sabia como nenhuma outra, então Rosa se entregou a dança como se fosse sua última (e no fundo ela sabia que era) de sua vida. À medida que ela dançava mais ela sentia que deveria ser livre de tudo que lhe fazia mal e decidiu então partir naquela mesma noite. Com a desculpa de que iria descansar a cigana saiu para sua tenda e lá pegou seu baralho para uma última consulta. Foi então que ela teve a visão de uma imensa praia e uma linda mulher, que no primeiro momento ela não soube desvendar o que era sendo assim enrolou o baralho na sua saia e saiu, mas com a impressão de que logo saberia quem era aquela mulher.

Rosa esperou que todos estivessem em suas tendas para que pudesse sair, olhou para o céu e pediu para a lua que a guiasse naquela jornada e saiu, porém em um descuido a moça sem querer derrubou uma bacia com algumas frutas, despertando então o anfitrião da aldeia que saiu logo em seguida e avistou Rosa já quase sumindo entre as árvores do povoado. Ele que já sabia que Rosa não aceitaria casar, sabia que ela tentaria algo do tipo fazendo o lembrar de uma antiga paixão de seu passado. O cigano então despertou os demais e para o desespero dos pais de Rosa que temiam pelo pior. Saíram em busca da cigana que perante as leia da aldeia, cometeu um dos mais graves crimes, e deveria pagar com sua vida.

Ao ver que havia sido descoberta, Rosa desatou a correr mais e mais, porém parecia que nada os impediria de alcança-la naquela fuga desesperada. Ao entrar em lugar escuro e úmido a cigana tropeçou e caiu, vendo então uma linda, porém estranha mulher vestida de preto e com o rosto meio coberto a sua frente. A mulher lhe disse ser uma das sete Marias e disse a Rosa que se ela não quisesse acabar como ela que seguisse em frente e não parasse em momento algum. A jovem cigana começou a chorar, pois não queria para sua vida o destino daquela mulher e correu o mais rápido que pode. O sol estava quase nascendo quando Rosa avistou a praia e correu o quanto pode, porém já estava quase sem forças e ao olhar para trás viu que os homens a estavam quase a alcançando.

Rosa então quase entregue as suas forças olhou para os céus e orou com toda sua força em uma oração triste, mas sincera aos Deuses para que lhe tirassem daquele lugar e daquela vida. Ajoelhada na beira da praia Rosa viu um grande brilho saindo do fundo mar e nele uma mulher muito bonita em um vestido azul caminhando sobre as águas e em sua direção. Foi então que Rosa viu que era a mesma mulher que viu em sua última visão com o baralho de ouro e se sentiu agradecida, mesmo sem saber quem ou o que ela era. A mulher disse que se chamava Yemanjá, e que havia ouvido as suas preces e estava ali para salvá-la daquele tormento sem fim, a mulher disse que para que ela não voltasse para aldeia devera seguir ela para fundo do mar e ela seria livre para sempre.

Sem questionar Rosa abraçou a bela mulher, sentindo dela um perfume de rosas brancas e uma imensa paz perto dela. Então a última lembrança de Rosa foi de uma imensa onda sobre as duas e em seguida uma sensação de liberdade que ela nunca havia sentido antes quando viva. Os ciganos apenas entenderam que Rosa se suicidou sobre as ondas, porém mal sabiam eles que ela estava apenas começando a sua jornada na nova vida espiritual.
FONTE: FACEBOOK

sábado, 23 de agosto de 2014

OS TRÂNSITOS PLANETÀRIOS:


Elisabeth Cavalcante ::


O simbolismo contido em nosso Mapa Astrológico Natal mostra as diferenças potenciais entre os seres humanos. Em alguns aspectos, somos bastante semelhantes, todos nascemos e vivenciamos algumas ou todas as fases que correspondem à jornada humana no planeta: infância, juventude, idade adulta e velhice. Em outros aspectos, no entanto, somos muito diferentes.

Cada um de nós constitui uma expressão única da energia da vida e responde de forma diversa a ela. É essa singularidade que podemos identificar no Mapa Natal.

Os trânsitos planetários indicam, basicamente, os períodos importantes da vida, pois ativam as energias de nossa carta natal. Eles definem os ritmos em que os desafios nos são apresentados e apontam importantes fases de crescimento.

Os assim chamados períodos de crises podem ser comuns a uma grande parcela da humanidade e, ao mesmo tempo, individuais, dependendo dos planetas envolvidos e do tempo que eles transitam por cada signo.

Se enfrentarmos os trânsitos com um certo grau de compreensão do que está acontecendo, ou do que irá acontecer, podemos entrar em contato com a energia neles contida e, desse modo, buscar utilizá-la de forma a mais criativa e construtiva possível.

Eles não somente energizam, como fazem com que ocorra uma mudança na consciência. Podem enfatizar complexos ou desafios natais e exigir a atenção para aquelas parte de nós que estejam sendo negligenciadas, pela dificuldade em lidar com elas.

Obviamente os aspectos difíceis trazem mais energia que os fáceis e, por isso mesmo, podem intensificar a possibilidade de crescimento. Por exemplo, um trânsito de Marte, que tende a despertar uma energia de agressividade, se utilizado conscientemente, pode ser recanalizado para o desenvolvimento da criatividade. Neste caso, a energia marciana pode se tornar produtiva.

O trânsito pode nos ajudar de modo significativo a nos orientar e sermos nossos próprios conselheiros. Naturalmente, aqueles que já desenvolveram algum grau de consciência e crescimento espiritual, poderão se beneficiar dos trânsitos de modo muito mais significativo, do que os que ainda se encontram vivendo na inconsciência e na imaturidade.

Nos dias 11 e 13 de Setembro, estarei no Rio de Janeiro, realizando atendimentos de Astrologia, Tarô e Terapia Floral. Para mais informações, escrevam para o meu email.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

OBSESSÕES: PERDAS INVOLUNTÁRIAS DE ENERGIA!!!





Sempre que o assunto é obsessão, é normal haver uma carga emocional muito forte sobre a questão. Isso acontece pelo simples fato que temos o costume de separar obsessor do obsidiado, e com facilidade formamos a figura da vítima (obsidiado) e do vilão(obsessor), sem compreendermos que um não vive sem o outro, portanto ambos são cúmplices (parceiros de vibração) no processo.
Nosso objetivo aqui é procurar expor o tema de uma forma diferente, com foco nos aprendizados que podem ser extraídos, por que na realidade dos fatos, as lições que tiramos desses eventos é o que mais importa.

Os cenários mudam, os atores mudam, os locais mudam, mas quando o tema é obsessão, as compreensões necessárias são sempre as mesmas.

Os estudos das interferências energéticas nocivas é amplamente difundido na comunidade espiritualista brasileira e mundial.

Hoje em dia é comum encontrarmos dezenas de excelentes livros e publicações á respeito do tema e suas particularidades. Contudo, como nosso maior objetivo é a evolução espiritual na prática, vamos desenvolver uma visão de contexto sobre o assunto, para não tratarmos de forma isolada do todo.

O que é a obsessão?
A obsessão é um processo em que um indivíduo, entidade, situação ou força, prejudica uma outra situação, entidade, pessoa ou força, exercendo influências que alterem seus estados. Essa influência pode ser consciente ou inconsciente, por ambas as partes.
É normalmente considerado obsessor aquele que exerce influência sobre um outro, alterando, diminuindo ou desorganizando a energia ou vibração de uma ou mais pessoas ou entidade.

Em resumo, é aquele que realiza influência sobre.
O Obsidiado é a pessoa ou entidade que recebe essa influência, sofrendo as conseqüências dessa alteração, desorganização ou diminuição da energia.
Na comunidade espiritualista, é muito comum estudarmos o tema focando a atenção nas obsessões apenas do plano Espiritual.
Isso acontece porque pouquíssimas pessoas nesse mundo capitalista e macanicista está treinada para perceber as interferências de ordem sutil (espirituais), logo invisíveis aos olhos do indivíduo destreinado nas capacidades da alma.

Assim sendo, acabamos por nos preocupar mais com aquilo que não podemos ver.
É importantíssimo desenvolver habilidade e conhecimento sobre os processos envolvidos nas obsessões do plano espiritual, todavia, não podemos nos esquecer que grande parte das obsessões de desencarnados sobre encarnados se iniciaram aqui na Terra.

Talvez se os envolvidos do processo obsessivo pudessem em vida ter tido o esclarecimento necessário, muito provavelmente a realidade seria outra.

Se todos compreendermos que muitas atitudes que temos com o nosso próximo tratam-se de comportamentos muitas vezes obsessivos, poderíamos diminuir essas conseqüências danosas ainda em vida, de pessoa para pessoa.

Essas obsessões de desencarnados para encarnados acontecem porque a morte não separa os laços kármicos.
Aquele que hoje morre com ódio mortal de seu vizinho em vida, quando no plano espiritual, tende e produzir da mesma forma seus fluídos perniciosos imanentes de seu psiquismo desequilibrado.

E esse desencarnado, quando voltar a Terra, com sua personalidade congênita, tende a ser um encarnado que exerce influência negativa para aquele mesmo vizinho, porque seus corações não se harmonizaram.

As obsessões atravessam as barreiras do tempo e das dimensões.
Tomemos como exemplo a educação no Brasil e no Mundo. Muitas nações já perceberam que a saída para a maioria dos problemas sócio-econômicos está na educação.

Muitos pais investem tudo que tem para proporcionar aos filhos educação e estudo digno para torná-los almas mais evoluídas. E qual a conseqüência disso?
A liberdade!
Ou como diria Jesus: ? A Verdade que Liberta?.

Primeiro precisamos compreender o assunto, sabendo de suas causas raízes, para depois atuarmos condizentes, dizimando suas conseqüências negativas e proporcionando um aprendizado coletivo.
É muito parecido com a questão da violência e marginalidade no mundo. Sem uma base de projetos e ações sociais, jamais serão resolvidos na raiz do problema.
Antes de ir mais a fundo nesse conteúdo, queremos convidar a todos a pensar; sempre que o assunto em questão for obsessão, precisamos exercitar a visão do todo.

Precisamos procurar compreender a causa raiz, porque se centrarmos o nosso foco apenas na conseqüência ou no momento presente, jamais seremos efetivos, logo não estaremos evoluindo, apenas girando em círculos.

Esse exercício de reflexão pretende fazer com que você perceba que trocamos de papel frequentemente, hora somos obsessor, hora obsidiados.

Exemplos:
Somos obsessores do Planeta Terra, quando estamos destruindo, poluindo, explorando.
Somos obsidiados quando no trânsito, alguém nos xinga com força e raiva no olhar!
Somos obsessores de tudo ( de nós, dos outros, das coisas e ambientes) quando negativos, pessimistas ou vítimas.
Somos obsidiados quando permitimos que os outros nos desrespeitem, nos explorem, nos critique sem motivo.
Somos obsessores quando culpamos.
Somos obsidiados quando somos culpados.
Sempre que houver trocas perniciosas de energias, podemos considerar como um fluxo obsessivo.

Porque há disputa, há combate, há conflito, mesmo que as duas partes não estejam conscientes.

Sempre há desgaste, há tensão, mesmo que invisível!
Uma obsessão começa quando uma parte tem interesse na energia do outro, e vice-versa.
Uma obsessão termina quando uma ou as duas partes começam a ter consciência da obsessão e suas consequências.

Quando somente uma das partes desperta para o entendimento, a cura (pelo menos de sua parte) pode acontecer.

O fato de uma das partes não aceitar a harmonização não impossibilita a cura por parte do interessado no fim do vínculo obsessivo, no entanto, se buscada apenas por uma das partes, torna o processo mais difícil e demorado.

E nesse caso, quando quem quer a cura consegue seu objetivo contrariando a outra parte, que não aceita a transformação, o ciclo obsessivo deverá continuar, sendo que nesse caso, o obsessor naturalmente irá procurar um novo alvo para obsidiar, porque ele tem dependência.
Em casos que há consciência, intenção e iniciativa por ambas a partes, para que o processo obsessivo seja transmutado, e em fim isso acontece, há no universo a formação de uma ponto de luz, que gira a engrenagem da evolução do mundo, porque manifesta iluminação, libertação e harmonia, diga-se de passagem, é tudo que o universo precisa!
Essas trocar involuntárias de energias, ou melhor, essas influências energéticas entre almas, situações, lugares, se dão em todos os níveis; físico, espiritual, emocional, mental.

Também acontecem muito entre pessoas que se amam, entre pais e filhos, marido e mulher, chefe e empregado, professor e aluno, e assim por diante.

Porque sempre que entendermos que precisamos da energia do outro para sobreviver estaremos sugando-lhe suas melhores vibrações.

Porque sempre que esquecemos que fazemos parte do Todo, da Fonte ilimitada, estaremos nos limitando, portando necessitaremos das migalhas que conseguiremos explorar do nosso próximo.

Mas não se assuste, não se culpe, roubamos energia alheia porque não estamos treinados para receber energia abundante, ilimitada direto da Fonte.
A consciência de que temos a eternidade, que somos ilimitados nos facilita saciar a sede de nossas almas desse manancial de luz que é Deus.
As relações cotidianas de controle, ciúmes, posse, inveja são apenas indícios dos efeitos devastadores que as obsessões geram em toda malha magnética da Terra.

Mais uma amostra de nosso egoísmo e alienação espiritual. Também é uma demonstração de que o desenvolvimento de nossas consciências espirituais é o grande trunfo que temos para mudar essa realidade para melhor.

Consciência é tudo que precisamos!
O melhor antídoto para interferências obsessivas é a expansão da consciência ou evolução espiritual, quando o ser desperto descobre que não é vítima de nada, que não existem vilões e que tudo que acontece nesse universo é milimetricamente regulado por uma consciência superior, para que os aprendizados aconteçam.
As obsessões acontecem por interesse, que embora seja uma palavra forte, é a mais adequada para explicar esse tema.

O interesse que muitos temos em uma pessoa ou situação, e que de forma iludida, distanciados da fé divina e das boas vibrações, concluímos com nossas mentes inferiores, que só podem acontecer dessa ou daquela maneira.

Assim ficamos escravos de nossas convicções ou condicionamentos mentais, criando nossas falsas metas, bem como nosso ridículos meios, para atingir nossos também equivocados objetivos.

E nesse caminho, acabamos que por conseqüência de estarmos distanciados de nossas essências espirituais; obsidiando ou sendo obsidiados.
A saída para essa condição escravizante é conexão com Deus, através da disciplina espiritual da oração, da meditação, das boas práticas de saúde e equilíbrio em todos os corpos.

A partir do momento que o homem se re-liga com o Criador, que fica consciente da missão da sua alma, da necessidade de evolução, tudo muda, um novo sol surge em seu horizonte.
Obsessão se dá sempre por mais de uma parte, quando os integrantes do ciclo estão alimentando o processo.

Se alguém para de alimenta-lo, ele se encerra.
Esse é o maior aprendizado prático que podemos tirar!

Por: Bruno J. Gimenes

UMBANDA - O PRONTO SOCORRO ESPIRITUAL:


Mestre Rubens Saraceni

Umbanda é uma Religião fascinante se estudada com isenção e racionalismo, mostrando-nos a Grandeza Divina de Deus e as infinitas possiblidades que Ele nos oferece para nos auxiliarmos quando entramos em desequilíbrio com o Plano Espiritual e o Natural.

Se soubermos interpretar o simbolismo umbandista veremos que, mais que uma Religião, a Umbanda é um Pronto Socorro Espiritual Equipadíssimo para acolher todos os necessitados de um rápido auxilio.

As pessoas seguidoras de outras religiões não vão à Umbanda para rezar e sim, vão em busca do socorro imediato para as mazelas que, em suas religiões, não tem como ser tratadas adequadamente. Vemos entrar e sair dos Centros Umbandistas pessoas seguidoras das mais diversas religiões, todas necessitadas de tratamento Espiritual imediato, muitas delas a beira de um colapso nervoso, do suicídio, da loucura, da confusão que incutiram em suas mentes com mensagens religiosas contraditórias que, ao invés de orientá-las, as confundiram de tal forma que muitas perderam a fé no referencial divino que tinham.

Com os espíritos que se manifestam através dos meus médiuns muitos encontram palavras de consolo, de conforto e de esclarecimentos que, pouco a pouco, fornecem-lhes novos referenciais, todos fundamentados na imortalidade do espírito e na necessidade de espiritualizarem- se porque só com uma pessoa se entendendo com espírito emortal encarnado para cumprir mais uma etapa da sua evolução, ela lidará de forma correta com suas dificuldades aqui na terra e alcançará o equilíbrio íntimo para superá-las ou transmutá-las.

Os referenciais divinos de quase todas as religiões são idênticos e estão calcados na existência de um Deus onipresente e onipotente que tudo pode e tudo faz; que é justo e perfeito e que não desampara ninguém em momento algum, fornecendo a todos o seu ampara divino.

Esse referencial divino é verdadeiro e não estamos negando-o ou questionando-o porquê também acreditamos nele e o ensinamos a todos que acreditam na existência de Deus.

O que questionamos acerca desse referencial divino é que muitos limitaram a religiosidade das pessoas nessa afirmação (verdadeira) e negaram tudo mais que faz - parte do aprendizado e da espiritualização delas, negando-lhes o benefício da busca e a satisfação de poderem, por si, solucionarem as dificuldades do dia a dia e de sanarem as dúvidas existência que surgem naturalmente no decorrem de suas passagens terrenas.

Na mente do doente, do desempregado, do solitário, do desesperançado, do desiludido, do desequilibrado mental e emocionalmente etc., passam pensamentos terríveis sobre sua condição de sofre- dor em meio a tantas pessoas saudáveis, em meio a tantas pessoas empregadas e em ótima situação financeira, em meio a tantas pessoas felizes, em meio a tantas pessoas cheias de esperança e felizes pelo sucesso já obtido em seus projetos de vida. A legião de sofredores encarnados é imensa e em certos momentos nós (eu e você, amigo leitor) já fizemos parte dela (ou ainda somos), certo?

Aos membros temporários ou permanentes dessa imensa legião de sofredores encarnados soma-se a dos espíritos já desencarnados, muito maior e em piores condições porque já não têm a estabilidade do plano material para se agarrarem e não serem tragados pelo abismo do desespero, do tormento e da sensação de desamparo total nos momentos mais difíceis das suas existências.

Faltou a alguns intérpretes de Deus revelarem aos seus seguidores que Deus é Onipotente, Onisciente e Onipresente, que tudo pode e tudo faz em nosso benefício, não desamparando ninguém em momento algum, mas que tem Sua forma de nos auxiliar na solução das nossas dificuldades, todas elas passando por nós mesmos e contando com a nossa participação na solução dos nossos problemas.

Deus possui muitos modos de operar em nosso benefício e um deles é através do auxílio dos espíritos mais evoluídos que, invariavelmente, voltam-se para os menos evoluídos e passam a auxiliá-los para que lidem de forma correta com suas dificuldades, sejam elas transitarias ou permanentes.

As dificuldades transitarias são solucionadas rapidamente. Já as permanentes, a solução delas só é possível com uma transformação integral do ser, pois a mente, que é a fonte dos pensamentos, não pode estar dissociada da razão e do bom senso, que são fontes de equilíbrio e racionalismo.
Ou a mente e a razão estão associadas e centradas ou a qualidade dos pensamentos deteriora-se e elas se auto-anulam pelas contradições, enfraquecendo a fé e anulando a crença em um Deus, Justo e Perfeito, que não desampara ninguém e a todos socorre o tempo todo, mesmo quando a solução das nossas dificuldades esta em nós.

Espiritualizar-se é mais que crer em Deus! E o ser crer-se parte Dele e que todas as nossas ações refletem Nele e retornam para nós, os seus emissores.

E crer-se uma célula do corpo de Deus que, se esta saudável realiza suas funções sem chamar a atenção dos ‘anticorpo? Espirituais mas, se ficar enferma, atrairá a atenção deles e começará a ser atacada de todos os lados até ser devorada por eles, que tem justamente essa função: Destruir e remover do corpo todas as células que se tornarem enfermas e ameaçarem a saúde, o bem estar e o equilíbrio existente nele.

A “célula enferma” não entende porque só ela esta sendo atacada e todas as outras (suas irmãs) não são incomodadas pelos “anticorpos’, ainda que estejam ao seu lado. Com certeza essa célula enferma tem muitos porquês sem respostas, não é mesmo? Tal como todas as pessoas, em certos momentos de nossa existência, quando estamos sofrendo porque fomos atacados violentamente por forças desconhecidas, fraquejamos e sentimos que fomos abandonados à nossa própria sorte (ou azar).

Quantas pessoas não vêem suas vidas desmoronarem de uma hora para outra, perdendo tudo o que acumularam durante anos por causa de um mau negócio; de um projeto que não deu certo; devido uma onda de doenças; por causa de uma separação conjugal; pela perda de um emprego bem remunerado, etc., e daí em diante tudo muda para pior e escapa-lhes do controle? São acontecimentos corriqueiros, porque acontecem o tempo todo com muitas pessoas, independente da religião que sigam.

Quantas dessas pessoas sofridas e desesperadas não atribuem a Deus a responsabilidade pelos seus infortúnio, pois sentem-se abandonadas, punidas ou desamparadas por Ele, que tudo pode mas nada fez para minorar seus sofrimentos?

Quantas não abandonam suas religiões e começam a buscar nas outras e’ amparo e a proteção divina, já inexistentes na que segue? Daí em diante passam de uma igreja para outra; de uma religião para outra; de um sacerdote miraculoso para outro, sempre buscando nelas ou neles o que perderam.

E, por fim, quando nada mais lhes resta nesse campo (o religioso), já acreditando que tudo lhes foi tirado, aí sim, voltam-se para o Pronto-Socorro Espiritual conhecido por Umbanda.

Na Umbanda, em seus centros despidos de luxo, vergam-se ante a inexorável ação da Lei Maior em suas vidas e curvam-se perante a espiritualidade enquanto ainda há tempo.

Diante dos Espíritos-Guias as pessoas relatam seus sofrimentos, abrem seus corações e derramam suas lágrimas para que a esperança brote novamente em suas vidas.

Finalmente a humildade se fez presente em seus íntimos e o ”Centro de Macumba e os Macumbeiros?”, tão ofendidos e vitimas de todo tipo de sarcasmos e ofensas mostram-se aos seus olhos surpresos que a Umbanda é uma Religião Humanística e Socorrista e que os tão difamados “macumbeiros” são pessoas tão humanas quanto eles e que nada lhes pedem ou cobram-lhes para ajuda-los ria reconquista do amparo divino.

Não cobram nada, não pedem dizimo e não cobram caríssimos os ‘trabalhos” porque, dentro do verdadeiro centro de Umbanda quem trabalha são os Guias Espirituais, que não precisam de nenhuma vantagem financeira para estenderem suas mãos luminosas aos necessitados.

Isto é Umbanda!
**************************************************************************

Rubens Saraceni
www.colegiodeumbanda.com.br


Solange Christtine Ventura
www.curaeascensao.com.br