Pesquisar este blog

Follow by Email

LINK...

domingo, 17 de março de 2013



Vida Cigana


Já faz algum tempo que tenho em mente expor aqui no Vida Cigana algumas obras do artista plástico Mahmoud Feteih. Ele é egípcio e retrata, entre outras figuras, belas ciganas em momentos singulares.  



Dança da Bengala: em princípio era usada para satirizar os homens que dançavam com o mesmo instrumento de forma grotesca, lembrando uma luta. Com o tempo as mulheres colocaram na Dança da Bengala charme, harmonia e muita destreza, tornando-se uma dança catalogada.



Cuidados e Adornos: esta pintura mostra uma cigana olhando-se ao espelho, evidenciando o cuidado com a aparência e com a sua vaidade. Os adornos dourados emitem sinais de que ela gosta de chamar atenção para si.  



Sedução: mão na cintura, olhar malicioso e sensual dão o tom de sedução que esta cigana pratica. Ela está bem vestida, adornada de ouro e com rico lenço nos cabelos. A cigana joga com seu charme e com seus encantos.



Cartomancia: vê-se com clareza que a cigana é cartomante, não só pelo uso das cartas, mas por usar um baralho comum. A meu ver, o fato mais relevante desta pintura é que a cigana está sentada bem à vontade, sem traje especial e tem um Ás de Copas nas mãos. Todos estes sinais apontam para que ela esteja jogando cartas para si, desejando saber sobre sua vida amorosa.



Natureza: com traje simplório esta cigana é mostrada pelo artista como aquela que comunga com a natureza. Ela tem em mão a comida para alimentar o pássaro que parece ter familiaridade com ela pelo pouso em seus dedos. Trata-se de uma cigana em seu habitat natural, os campos.



Dança com Snujsa dança com este instrumento de percussão requer habilidade e ritmo para que o som aponte a cadência da dança. No caso, a cigana parece dar literalmente um baile, mostra-se entregue, feliz, sensual, rigorosamente adornada e com um traje branco para dar ainda mais leveza a imagem.



Cafeomanciasão raras as pinturas em que as ciganas são retratadas lendo a Borra de Café.  Apesar de não vermos um consulente, a vestimenta vermelha completa (com lenço, rosa nos cabelos e xale) e a postura da jovem, faz saber que a sorte que ela lê não é a dela pelo conjunto de formalidades, apesar disso, a cigana exerce seu talento com concentração.


  
Descontração: nesta imagem não há indícios do que esteja acontecendo ao redor da cigana, o artista evidenciou com maestria um instante de alegria e descontração. Parece um momento registrado por uma máquina fotográfica que a pessoa fotografada não sabe que está sendo clicada.  



O olhar: o foco desta cigana pode parecer de imediato a sedução, entretanto, seu olhar revela uma outra maneira de ler a sorte de outrem: aquela em que vê a alma do consulente somente com o olhar aguçado e intuitivo, sem a necessidade de oráculos para auxiliá-la.

  


Na varanda: a cigana olhando a vida através da varanda é uma imagem intrigante, mostra que ela não é andarilha, não mora em tenda, e sim que é uma cigana que tem residência fixa, e pelo ouro que ostenta, pode, sem problemas, “ver a vida passar”.


Valéria Fernandes